Faithlife Sermons

O QUÊ TENHO EU COM O PECADO DE ADÃO - UM POR TODOS

Obra de Cristo  •  Sermon  •  Submitted
0 ratings
· 8 views

O Sermão responde a pergunta "O que tenho eu com Adão" Como o pegado de Adão no foi imputado.

Notes
Transcript

INTRODUÇÃO

Ler Rm 1.12-21
ILUSTRAÇÃO
Responder a pergunta.
a imputação do pecado de Adão à sua posteridade,
a injustiça de castigar alguém por causa de um pecado em que não se teve nenhuma participação.

como os membros individuais da raça podem levar a culpa de um pecado no qual, como indivíduos, não participaram pessoal nem voluntariamente

Como pode isso se eu não existia?
John Murray, A Imputação do Pecado de Adão, trad. Marcos Vasconcelos e William Campos da Cruz, 1a edição (Brasília, DF: Editora Monergismo, 2019), 36.
Paulo apresenta um esboço da história desde a queda pecaminosa de Adão até a consumação por meio de Cristo.
Paulo descreve a condição que o ser humano sempre se encontrou desde a queda de Adão.
Temos uma doutrina sobre Cristo, uma doutrina sobre sua morte.
A igreja em Roma não foi fundada por Paulo, talvez seja oriunda de atos 2.10, judeus romanos.
Atos dos Apóstolos 2.9–10 RA
Somos partos, medos, elamitas e os naturais da Mesopotâmia, Judeia, Capadócia, Ponto e Ásia, da Frígia, da Panfília, do Egito e das regiões da Líbia, nas imediações de Cirene, e romanos que aqui residem,
Vejamos o versículo programático da Carta:
Romanos 1.16–17 (RA)
Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé.
Romanos 1.1–2 (RA)
Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus, o qual foi por Deus, outrora, prometido por intermédio dos seus profetas nas Sagradas Escrituras,

PRELIMINARES

O texto contém doutrina e história
Adão é uma personagem histórica ou mitológica

ALGUMAS TEORIAS DA CRIAÇÃO

Uma teoria nada mais é do que uma hipótese ou uma conjectura.
Adauto Lourenço, Como Tudo Começou: Uma Introdução ao Criacionismo, org. Tiago J. Santos Filho, 1a Edição (São José dos Campos, SP: Editora FIEL, 2007), 29.

MODELO BIG BANG

Ilustração da criação do bolo de chocolate:

Teoria 1 “bolo de chocolate”:

Uma dona de casa, mãe de um bombeiro, tinha conhecimento de como fazer bolos de chocolate e decidiu fazer um bolo para seu filho. Tendo obtido todos os ingredientes necessários, preparou a massa, colocando cada ingrediente na quantidade certa e na ordem certa, num recipiente. Após observar o tempo devido, a massa foi levada ao forno, em uma forma, para ser assada, até que o bolo ficasse pronto. O padrão de qualidade do bolo ficou a critério da dona de casa que sabia como fazê-lo. Após o tempo apropriado, o bolo foi retirado do forno e da forma, levado pela mãe até o corpo de bombeiros e colocado sobre uma mesa. Assim seria a nossa teoria número um.
Adauto Lourenço, Como Tudo Começou: Uma Introdução ao Criacionismo, org. Tiago J. Santos Filho, 1a Edição (São José dos Campos, SP: Editora FIEL, 2007), 29–30.

Teoria 2 “bolo de chocolate”:

Um caminhão de supermercado, levando mercadoria para entrega, capotou numa curva. À medida que o caminhão capotava, pacotes de farinha, de fermento, de açúcar, de sal, de chocolate, de ovos, latas de óleo, etc., que estavam em sua carroceria, se romperam. Encontrava-se dentro do caminhão um cantil, que se partiu ao meio, devido ao capotamento. Um pouco dos ingredientes arremessados aleatoriamente se depositou em quantidade certa e na ordem certa em uma das metades do cantil. Devido ao movimento do capotamento, os elementos foram se misturando ali. Ao parar de capotar, o caminhão pegou fogo. Aquecidos pelo calor, os ingredientes dentro da metade do cantil começaram a se transformar pelos processos físico-químicos, num bolo de chocolate. Os bombeiros, que haviam sido chamados, conseguiram apagar o incêndio do caminhão de supermercado num tempo razoável. Nos escombros, eles encontraram o bolo de chocolate formado na metade do cantil, e o levaram e o colocaram sobre uma mesa, para celebrar a grande proeza do dia.
Adauto Lourenço, Como Tudo Começou: Uma Introdução ao Criacionismo, org. Tiago J. Santos Filho, 1a Edição (São José dos Campos, SP: Editora FIEL, 2007), 30.
Nestes dois exemplos, você (o pesquisador) não estava presente para ver o que aconteceu. Você apenas vê o bolo colocado em cima da mesa. Em outras palavras, independentemente da sua resposta de qual das duas teorias pode explicar o evento, o fato é que você não presenciou o que aconteceu. Você só tem o bolo sobre a mesa para analisar.
Da mesma forma, o cientista só tem a natureza ao seu redor para analisar. E, baseado nas suas observações, ele tira as suas conclusões e deduções quanto ao passado.
Adauto Lourenço, Como Tudo Começou: Uma Introdução ao Criacionismo, org. Tiago J. Santos Filho, 1a Edição (São José dos Campos, SP: Editora FIEL, 2007), 30.
Adalto Lourenço no you tub

DESINGN (DESENHO) INTELIGENTE

A Teoria do Design Inteligente estuda o design encontrado na natureza, não levando em consideração se existe ou não um designer.
Adauto Lourenço, Como Tudo Começou: Uma Introdução ao Criacionismo, org. Tiago J. Santos Filho, 1a Edição (São José dos Campos, SP: Editora FIEL, 2007), 44–45.

GERAÇÃO ESPONTÂNEA

Simplesmente a vida brotou do nada de forma espontânea, a vida teria surgido através de processos naturais
Adauto Lourenço, Como Tudo Começou: Uma Introdução ao Criacionismo, org. Tiago J. Santos Filho, 1a Edição (São José dos Campos, SP: Editora FIEL, 2007), 44.

EVOLUCIONISTA DE DARWIM

Darwim, livro a origem das espécies, 1958,Em sua obra sobre a “Origem das Espécies”, ele afirma: “Creio que os animais se derivaram, quando muito, de quatro ou cinco progenitores; e as plantas de mesmo ou menor número”. Na mesma página, contudo, ele avança mais e diz: “A analogia me leva a dar um passo adiante, ou seja, a crer que todos os animais e plantas se derivaram de um único protótipo”; e acrescenta que “todos os seres orgânicos, que sempre existiram sobre a terra, podem ter-se originado de uma única forma primordial”.17 O ponto de maior importância em que Darwin difere de seus predecessores é que ele começa com a vida da matéria; os outros, com a morte. Esforçaram-se por explicar a origem da vida através de causas físicas; enquanto ele pressupõe a existência de células ou germes vivos. Ele não entra na questão de sua origem. Presume que já existam; o que pareceria necessariamente envolver a ideia de um Criador.
Enfim não passa de mera hipótese que não pode ser provada. Não existe ele de ligação entre o macaco e o homem, sequer um registro fóssil, outra questão é a esterilidade dos híbridos.
BIG BEM
Receita de bolo

EVOLUCIONISMO TEÍSTA

Deus criou pelo processo da evolução se afastou e deixou sua Criação assumir a direção. Como um relógio a corda. Deus não conhece o futuro.
Se Adão foi um mito a bíblia não é a palavra de Deus, se essas teorias são aceitas genêsis 1-2-3, queda de adão são figuras não é realidade.

CRIACIONISMO

Criação ex nihilo (“do nada”) é o único ato pelo qual Deus fundou toda a realidade da criatura - um ato realizado sem qualquer ajuda externa ou condição não-divina, incluindo matéria preexistente.
Hebreus 11.3
Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem.

A UNIDADE DA RAÇA HUMANA

Ainda há outra questão imposta pela ciência à teologia, com respeito ao homem, a qual não pode ser negligenciada. Toda a humanidade tem uma origem comum? E tem toda ela uma natureza comum? Descendeu toda ela de um só casal, e este constitui uma só espécie? Essas perguntas são respondidas afirmativamente na Bíblia e pela Igreja universal.
Vejamos Calvino:
Não é necessária, para a compreensão desta matéria, a angustiante discussão que tanto atormentou aos antigos: se, uma vez que nela reside capitalmente o contágio, a alma do filho procede da alma paterna por derivação. A nós nos convém estar contentes com isto: haver o Senhor depositado em Adão aqueles dotes que quis conferir à natureza humana. Portanto, quando perdeu os dotes recebidos, aquele os perdeu, não apenas por si só, mas também por todos nós.
João Calvino, As Institutas, trad. Waldyr Carvalho Luz, Edição Clássica, vol. 2 (São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2006), 22.

O HOMEM CRIADO A IMAGEM DE DEUS

A característica distintiva do homem é que ele foi criado à imagem e semelhança de Deus.
É com base em sua criação à imagem de Deus que o homem tem domínio sobre as outras coisas no mundo ao seu redor. Não que simplesmente o homem seja mais forte; na realidade, nem sempre é mais forte. O próprio domínio é um aspecto da imagem de Deus, no sentido de que o homem, sendo criado à imagem de Deus, encontra-se entre Deus e tudo o que Deus decidiu colocar sob o homem.
Francis A. Schaeffer, Gênesis no Espaço-Tempo, trad. Josaías Cardoso Ribeiro Júnior, 1a edição (Brasília, DF: Editora Monergismo, 2014), 68.
Gênesis 1.26 RA
Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra.
Gênesis 1.27 RA
Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.
Teologia Sistemática (§ 2. O Homem Criado à Imagem de Deus)
Sua natureza intelectual e moral. Deus é Espírito, a alma humana é um espírito. Os atributos essenciais do espírito são a razão, a consciência e a vontade. Um espírito é um agente racional, moral e, portanto, também um agente livre. Assim, ao criar o homem segundo a sua imagem, Deus o dotou com aqueles atributos que pertencem à sua própria natureza como espírito. O homem é, por isso, distinto de todos os demais habitantes deste mundo, e está colocado incomensuravelmente acima deles.
A imagem se refere ao seu domínio sobre as criaturas com os mandados:
Gênesis 1.28 RA
E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela terra.

Mandado Social:

Multiplicar criar família, casar, viver em sociedade.
O alvo de Deus para o ser humano foi que ele pudesse ter filhos e filhas até que o planeta Terra estivesse cheio de seres humanos
Adauto Lourenço, Gênesis 1 & 2: A Mão de Deus na Criação, org. Tiago J. Santos Filho, Primeira Edição (São José dos Campos, SP: Editora FIEL, 2011), 212.

Mandado Cultural:

Dominar sobre a criação.
Gênesis 2.5–9 RA
Não havia ainda nenhuma planta do campo na terra, pois ainda nenhuma erva do campo havia brotado; porque o Senhor Deus não fizera chover sobre a terra, e também não havia homem para lavrar o solo. Mas uma neblina subia da terra e regava toda a superfície do solo. Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente. E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, na direção do Oriente, e pôs nele o homem que havia formado. Do solo fez o Senhor Deus brotar toda sorte de árvores agradáveis à vista e boas para alimento; e também a árvore da vida no meio do jardim e a árvore do conhecimento do bem e do mal.
Queremos focar agora na maneira como os seres humanos deveriam subjugar a terra.
Deus, antes de criar o ser humano, plantou um jardim no Éden. Foi nesse jardim que o Senhor Deus colocou o homem para dele cuidar.
Observe que não foi Adão quem plantou o primeiro jardim: foi Deus! Ao criar o jardim, Deus deu o padrão de como a terra deveria ser: um jardim.
Deus não criou uma selva. Ele criou um jardim.
Deus não criou desertos. Ele criou um jardim.
Deus não criou a terra como se fosse um terreno baldio. Ele criou um jardim.
A terra normalmente iria produzir plantas, mas o ser humano deveria subjugá-la e torná-la num grande jardim baseado no modelo que Deus havia criado.
Adauto Lourenço, Gênesis 1 & 2: A Mão de Deus na Criação, org. Tiago J. Santos Filho, Primeira Edição (São José dos Campos, SP: Editora FIEL, 2011), 213.
Na sua profissão você domina constrói, planta, cria com tecnologia.

Mandado Espiritual:

Na viração do dia Deus vinha conversar com Adão
No Éden, Deus reinou simbolizado pela árvore da vida no meio do jardim. Colocado sobre a criação como vice-rei, Adão deveria assegurar que cada atividade terrena servisse para trazer louvor e glória a Deus:
O conceito de domínio do Homem
Salmo 8.5–8
Fizeste-o, no entanto, por um pouco, menor do que Deus e de glória e de honra o coroaste. Deste-lhe domínio sobre as obras da tua mão e sob seus pés tudo lhe puseste: ovelhas e bois, todos, e também os animais do campo; as aves do céu, e os peixes do mar, e tudo o que percorre as sendas dos mares.
O homem tinha trabalho a fazer:
Gênesis 2.15
Tomou, pois, o Senhor Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar.
DE VOLTA A PERGUNTA O QUE TENHO EU COM O PEGADO DE ADÃO
Embora a noção de imputação punitiva esteja presente no Antigo Testamento, ela é mais plenamente expressa no Novo Testamento, nos escritos de Paulo. Cada pessoa tem o pecado original imputado à sua conta, uma vez que todos herdaram o pecado e a culpa de Adão (Romanos 5:12-19). De acordo com cristãos protestantes, todas as pessoas são declaradas culpadas e condenadas como pecadoras porque estão de alguma forma envolvidas na rebelião de Adão.

ADÃO O CABEÇA FEDERAL DA RAÇA HUMANA

Nos versículos 12 a 19, o apóstolo abordara a analogia existente entre Cristo e Adão, que mantêm relacionamentos singulares para com a raça humana
John Murray, A Imputação do Pecado de Adão, trad. Marcos Vasconcelos e William Campos da Cruz, 1a edição (Brasília, DF: Editora Monergismo, 2019), 129.

Versículo 12

Romanos 5.12 RA
Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram.
A natureza humana em sua unidade não individualizada existia em sua inteireza em Adão, por isso quando Adão pecou, não somente ele pecou, mas também a natureza comum existente nele em sua unidade, e, como toda pessoa vinda ao mundo é uma individualização dessa natureza humana única, cada uma como “parcela individualizada” dessa natureza comum é culpada e passível de castigo por causa do pecado cometido por essa unidade.
John Murray, A Imputação do Pecado de Adão, trad. Marcos Vasconcelos e William Campos da Cruz, 1a edição (Brasília, DF: Editora Monergismo, 2019), 36.
Paulo, ele escreve: “ ‘por um só homem’, ele diz, ‘entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte’. Isso fala de reprodução, não de imitação, porque, se fosse pela imitação, ele teria dito, ‘pelo maligno’ ”.
John Murray, A Imputação do Pecado de Adão, trad. Marcos Vasconcelos e William Campos da Cruz, 1a edição (Brasília, DF: Editora Monergismo, 2019), 44.
(1.) Que todos os homens, em seu atual estado, são pecadores.
(2.) Que essa pecaminosidade universal dos homens teve sua origem histórica e causal na apostasia voluntária de Adão.
(3.) Que tal é o estado atual da natureza humana que a salvação não pode ser alcançada de nenhuma outra maneira senão através de Cristo e pelo auxílio de seu Espírito.
(4.) Que mesmos as criancinhas, assim que nascem, necessitam de regeneração e redenção, e só podem ser salvas através do mérito de Cristo. Essas grandes verdades, que constituem o fundamento do evangelho
Charles Hodge, Teologia Sistemática, trad. Valter Martins, 1a edição (São Paulo: Hagnos, 2001), 596.

Pacto de Obras

contrato- aliança
A Bíblia ensina que, quando criou Adão, Deus entrou num pacto de obras com ele. Como declarado na Confissão (7:2): “O primeiro pacto feito com o homem era um pacto de obras; nesse pacto a vida foi prometida a Adão [como o cabeça federal de toda a raça humana] e, nele, à sua posteridade, sob a condição de perfeita obediência pessoal”.
Este “atravessar até todos” lança a pergunta pelo como? Como que o pecado de Adão me atinge
Verificar a confissão de fé de westminster
Contudo, como lemos em Romanos 5, Adão desobedeceu a Deus. E como ele era o cabeça federal ou pactual de toda a raça humana, seu pecado foi imputado a toda a humanidade.
Diz o Breve catecismo (pergunta 16): “O pacto foi feito com Adão, não só para ele, mas também para a sua posteridade; todo o gênero humano, que dele procede por geração natural, pecou nele e caiu com ele na sua primeira transgressão”.
Portanto, como um resultado da Queda, todos os homens são judicialmente culpados. O pecado de Adão foi imputado a todos. Como afirmado pela Confissão (6:2,4) esse estado no qual o homem se encontra agora é um estado de “depravação total”. Isto é, de tal forma o homem caiu do seu estado de “retidão original e da comunhão com Deus, [que] se tornou morto em pecado e inteiramente corrompido em todas as suas faculdades e partes do corpo e da alma”. Por conseguinte, todos os seres humanos estão agora “totalmente indispostos, impossibilitados de todo bem e inteiramente inclinados a todo mal”.
1Coríntios 15.22 RA
Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo.
Romanos 6.23 RA
porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.
MORTE FISICA ESPIRIYUAL E ETERNA
PELAGIO
HUSSOL MITO DO BOM SEKVAGEM
FILME SENHOR DAS MOCAS
PECADO SOCIAL
ANTES DA QUEDA POSSO NAO PECAR
CAIDO - NAO POSSO NAO PECAR
RM 7 - DOIDO
Romanos 3.23 RA
pois todos pecaram e carecem da glória de Deus,
1Coríntios 15.22 RA
Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo.
Salmo 32.2 (RA)
Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não atribui iniquidade e em cujo espírito não há dolo.
Romanos 1.21 RA
porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato.
Gálatas 4.7 RA
De sorte que já não és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro por Deus.
Gênesis 4.7 RA
Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo.
Ainda que não tenhamos de nos responsabilizar pelo fato de estarmos no mundo, temos de fazê-lo em relação aos nossos pecados de fato.
Romanos 5.1–2 RA
Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus.
O que Adão fez valeu para toda a raça humana. Por meio dele entrou o pecado no mundo foi ele quem abriu a porta. Pecar o tornou mortal e condenável, mesmo fisicamente vivo.
Dez ocorrências de “um – todos” nos v. 12,15,16,17,18,19 [no texto grego]
Doutrina da depravação total, calvinistas de 4 e cinco pontos TULIP.

Versículo 13:

Romanos 5.13 RA
Porque até ao regime da lei havia pecado no mundo, mas o pecado não é levado em conta quando não há lei.
Somente a Lei pode desmascarar a culpa e a inimizade contra Deus
Mas o que é lei?
1João 3.4 RA
Todo aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei.
Mas qual Lei? temos um resumo:
Êxodo 20 RA
Então, falou Deus todas estas palavras: Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque eu sou o Senhor, teu Deus, Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem e faço misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos. Não tomarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão, porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão. Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque, em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o Senhor abençoou o dia de sábado e o santificou. Honra teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor, teu Deus, te dá. Não matarás. Não adulterarás. Não furtarás. Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma que pertença ao teu próximo. Todo o povo presenciou os trovões, e os relâmpagos, e o clangor da trombeta, e o monte fumegante; e o povo, observando, se estremeceu e ficou de longe. Disseram a Moisés: Fala-nos tu, e te ouviremos; porém não fale Deus conosco, para que não morramos. Respondeu Moisés ao povo: Não temais; Deus veio para vos provar e para que o seu temor esteja diante de vós, a fim de que não pequeis. O povo estava de longe, em pé; Moisés, porém, se chegou à nuvem escura onde Deus estava. Então, disse o Senhor a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: Vistes que dos céus eu vos falei. Não fareis deuses de prata ao lado de mim, nem deuses de ouro fareis para vós outros. Um altar de terra me farás e sobre ele sacrificarás os teus holocaustos, as tuas ofertas pacíficas, as tuas ovelhas e os teus bois; em todo lugar onde eu fizer celebrar a memória do meu nome, virei a ti e te abençoarei. Se me levantares um altar de pedras, não o farás de pedras lavradas; pois, se sobre ele manejares a tua ferramenta, profaná-lo-ás. Nem subirás por degrau ao meu altar, para que a tua nudez não seja ali exposta.

A CULPA FORMULADA EM TERMOS JURÍDICOS

A culpa foi formulada em termos jurídicos, i. é, o processo legal agora estava em andamento. O pecador está como que detido para investigações (Gl 3:23). Por isto, Paulo já havia estabelecido em Rm 2:12 a diferença entre pecado sem e sob a lei. Porém nesse ponto ele interrompe uma abordagem mais detalhada.

Versículo 14:

Talvez achemos que Paulo se repetiu sem necessidade, mas essa repetição estabelece sem nenhuma dúvida que o apóstolo considera que a condenação e a morte passaram a todos os homens pela transgressão única de um único homem, Adão
John Murray, A Imputação do Pecado de Adão, trad. Marcos Vasconcelos e William Campos da Cruz, 1a edição (Brasília, DF: Editora Monergismo, 2019), 19.
Romanos 5.14 RA
Entretanto, reinou a morte desde Adão até Moisés, mesmo sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão, o qual prefigurava aquele que havia de vir.
O pacto da Graça no Antigo Testamento:
Adão é figura daquele que viria.
Moisés é uma personagem histórica
John Murray, A Imputação do Pecado de Adão, trad. Marcos Vasconcelos e William Campos da Cruz, 1a edição (Brasília, DF: Editora Monergismo, 2019), 129.
O pacto de graça foi inicialmente revelado em Gênesis 3.15, com a primeira promessa messiânica ou “promessa do evangelho” (o protevangelium), diretamente após a Queda. Como ensinado na Confissão (7:3):
Tendo o homem, por sua queda, tornado-se incapaz de vida por esse pacto [de obras], o Senhor dignou-se fazer um segundo pacto, geralmente chamado o pacto da graça; neste pacto Deus livremente oferece aos pecadores a vida e a salvação por Jesus Cristo, exigindo deles a fé em Cristo para que sejam salvos; e prometendo dar seu Santo Espírito a todos os que estão ordenados para a vida, a fim de dispô-los e habilitá-los a crer.
A Bíblia ensina que há um pacto da graça em vigor durante toda a história redentora, e há somente um meio de salvação.
Como declarado na Confissão (7:5–6):
Esse pacto [de graça] no tempo da Lei não foi administrado como no tempo do Evangelho [Novo Testamento]. Sob a Lei, foi administrado por promessas, profecias, sacrifícios, pela circuncisão, pelo cordeiro pascoal e por outros tipos e ordenanças dadas ao povo judeu, prefigurando, tudo, Cristo que havia de vir; para aquele tempo e pela operação do Espírito Santo, essas coisas, foram suficientes e eficazes para instruir e edificar os eleitos na fé do Messias prometido, por quem tinham plena remissão dos pecados e a vida eterna: essa dispensação chama-se o Antigo Testamento.
Com Adão existe uma promessa:
1Coríntios 15.22 RA
Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo.
1Coríntios 15.45 RA
Pois assim está escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito alma vivente. O último Adão, porém, é espírito vivificante.

Versículo 15:

Romanos 5.15 RA
Todavia, não é assim o dom gratuito como a ofensa; porque, se, pela ofensa de um só, morreram muitos, muito mais a graça de Deus e o dom pela graça de um só homem, Jesus Cristo, foram abundantes sobre muitos.
Desde o princípio sempre foi pela graça:
2Timóteo 1.9–10 RA
que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos, e manifestada, agora, pelo aparecimento de nosso Salvador Cristo Jesus, o qual não só destruiu a morte, como trouxe à luz a vida e a imortalidade, mediante o evangelho,

Versículo 16:

Romanos 5.16 RA
O dom, entretanto, não é como no caso em que somente um pecou; porque o julgamento derivou de uma só ofensa, para a condenação; mas a graça transcorre de muitas ofensas, para a justificação.
O pacto da redenção:
O pecado está relacionado com a lei
O pecado é a falta de conformidade com a lei de Deus
1João 3.4 RA
Todo aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei.
Como observado acima, o plano eterno de salvação, onde Cristo e sua obra redentora em favor da sua Igreja são centrais, fundamenta-se no conselho intertrinitariano, que é tratado como o pacto da redenção.
De acordo com a Confissão de fé de Westminster (7:1):
Tão grande é a distância entre Deus e a criatura, que embora as criaturas racionais devam obediência a Deus como seu Criador, nunca poderiam obter dele nenhum gozo ou realização, como suas bem-aventuranças e recompensa, senão por alguma voluntária condescendência da parte de Deus, a qual Deus escolheu expressar por meio de um pacto.

Versículo 17:

Romanos 5.17 RA
Se, pela ofensa de um e por meio de um só, reinou a morte, muito mais os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça reinarão em vida por meio de um só, a saber, Jesus Cristo.
Pacto da Graça:
Foi um conselho eterno do Deus Triúno precedendo a criação.
Apocalipse 13.8 RA
e adorá-la-ão todos os que habitam sobre a terra, aqueles cujos nomes não foram escritos no Livro da Vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.
E o pacto da graça, que é a execução histórica do pacto da redenção, como diz o Catecismo maior (pergunta 31), “foi feito com Cristo, como o segundo Adão, e nele, com todos os eleitos, como sua semente’.
Nesse conselho eterno, Deus o Pai, representando a Trindade, pactuou com Deus o Filho, representando a Igreja, para redimir os pecadores eleitos. Como declarado na Confissão de Westminster (8:1):
Aprouve a Deus [o Pai] em seu eterno propósito, escolher e ordenar o Senhor Jesus, seu Filho Unigênito, para ser o Mediador entre Deus e o homem, o Profeta, Sacerdote e Rei, o Cabeça e Salvador de sua Igreja, o Herdeiro de todas as coisas e o Juiz do Mundo; e deu-lhe desde toda a eternidade um povo para ser sua semente e para, no tempo devido, ser por ele remido, chamado, justificado, santificado e glorificado.

Versículo 18:

Romanos 5.18 RA
Pois assim como, por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também, por um só ato de justiça, veio a graça sobre todos os homens para a justificação que dá vida.

Versículo 19:

Romanos 5.19 RA
Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos se tornaram pecadores, assim também, por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos.
Tornar justo:
Isaías 53.10–12 RA
Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do Senhor prosperará nas suas mãos. Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniquidades deles levará sobre si. Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu.

A SUPER ABUNDANTE GRAÇA

A superabundância da graça é exemplificada no resultado que emana desta justiça ou na finalidade para a qual está direcionada — a “vida eterna”. Naturalmente, esta vida é a antítese da morte, mas é uma vida que a morte não pode invadir e que não pode ser perdida — é a vida eterna.
John Murray, A Imputação do Pecado de Adão, trad. Marcos Vasconcelos e William Campos da Cruz, 1a edição (Brasília, DF: Editora Monergismo, 2019), 133.
Versículo 20:
Romanos 5.20 RA
Sobreveio a lei para que avultasse a ofensa; mas onde abundou o pecado, superabundou a graça,
Versículo 21:
Romanos 5.21 RA
a fim de que, como o pecado reinou pela morte, assim também reinasse a graça pela justiça para a vida eterna, mediante Jesus Cristo, nosso Senhor.
Em Jesus temos a restauração da imagem de Deus no homem por meio de Jesus Cristo:
2Coríntios 3.17–18 RA
Ora, o Senhor é o Espírito; e, onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.
CONCLUSÃO
Deus é soberano:
Isaías 43.6–7 RA
Direi ao Norte: entrega! E ao Sul: não retenhas! Trazei meus filhos de longe e minhas filhas, das extremidades da terra, a todos os que são chamados pelo meu nome, e os que criei para minha glória, e que formei, e fiz.
Tudo foi feito para louvor da sua Glória.
Isaías 43.21 RA
ao povo que formei para mim, para celebrar o meu louvor.
e está no controle da história da humanidade.
Efésios 1.11 RA
nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade,

Conclusão

1 a palavra de Deus não tem crédito - infalibilidade e inerrância das Escrituras
2 - Se o registro é mitológico não houve queda não houve pegado original.
3 - Não existe necessidade de um salvador, porque o homem é bom e qual a necessidade “Morreu pelos nossos pecados” . Desconexão entre Adão e Cristo, Cristo histórico e Adão mitológico.
Deveremos desconsiderar alguns textos:
Se considerarmos a narrativa da criação como mito teríamos que desconsiderar os escritos no Novo Testamento, que atribuem a narrativa como literal senão vejamos:
Romanos 5.12 RA
Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram.
2Coríntios 11.3 RA
Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também seja corrompida a vossa mente e se aparte da simplicidade e pureza devidas a Cristo.
1Timóteo 2.14 RA
E Adão não foi iludido, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão.

CONSEQUÊNCIA

Afirmamos que Adão é um personagem histórico.
Se tirarmos os capítulos 1-2- da bíblia não sobra nada. Vejamos
Gn. 1 fala da criação dos céus e da terra
Gn.2 fala da árvore da vida
Ap.21 fala da criação do novo céu da nova terra
Ap.22 fala da árvore da vida
Se os dois primeiros não forem verdadeiros e literais qual esperança você tem que os dois últimos serão verdadeiros e literais. Os quatro versículos possuem uma simetria sem pecado.
Se eu creio que Jesus criou o mundo qualquer milagre é possível para ele.
Tudo redunda para sua glória.
O método de Deus não é o nosso. A redenção ocorre em se submeter ao sofrimento.
O castigo de Caim foi sair do jardim e por isso fundou uma cidade.
Da mesma forma Israel quis um Rei para se parecer com os outros Reinos e Deus deu Sal, mais em sua soberania Deus aplica a redenção e traz o reinado do Justo Jesus.
Deus proíbe os despojos de guerra para que Israel não aprenda o modelo da humanidade caída.
As guerras são motivadas pela economia, deixa plantarem e com exércitos pilhamos.
Mas com Jesus é diferente, vencemos sendo vencidos.
Caminhando duas milhas.
Perdoar é perder
Related Media
Related Sermons