Faithlife Sermons

OCÉU43: a existência de Deus (Parte 1)

0 ratings
· 4 views
Notes
Transcript
INTRODUÇÃO
Deus existe? Existe evidência objetiva de que Deus existe? quais são as consequências do ateísmo? De onde Deus veio?  Podemos conhecer a Deus pessoalmente?
A Bíblia começa com a afirmação: “No princípio criou Deus os céus e a terra” (Gênesis 1:1). Existência de Deus é afirmada e auto evidenciada nas Escrituras.
No Salmo 14:1, somos informados: “O tolo disse em seu coração: Deus não existe! Eles agiram de forma corrupta; eles têm feito obras abomináveis, não há quem faça o bem”.
Aqui vemos que a Bíblia conecta pensamentos corruptos sobre Deus -especialmente negando Sua própria existência – com uma moral corrupta. E isso é verdade; se não há Deus, nenhum Criador que define as regras, então estamos à deriva moralmente.
Quando os filhos de Israel esqueceram seu Criador nos tempos dos Juízes, quando não havia ninguém que os guiassem na fidelidade a Deus, “… cada um fez o que parecia bem aos seus olhos” (Juízes 21:25), e o caos reinou.
Vemos a mesma coisa acontecendo hoje. Países onde as pessoas uma vez honrou a Deus, reconhecendo que “Deus estava em Cristo reconciliando o mundo para si mesmo” (2 Coríntios 5:19), experimentou segurança sem precedentes e prosperidade.
Esses mesmos países hoje estão desmoronando à medida que as pessoas se voltam suas costas para Deus. “A justiça levanta uma nação, mas o pecado é uma vergonha para qualquer povo” (Provérbios 14:34).
À medida que as nações dão as costas a Deus, vivendo como se Ele não existisse, o pecado abunda – corrupção política, mentira, calúnia, exibições públicas de devassidão, crime violento, aborto, roubo, adultério, uso de drogas, embriaguez, jogo e ganância de todos os tipos.
Problemas econômicos seguem-se à medida que os impostos aumentam e os governos tomam dinheiro emprestado para pagar: aumento no efetivo das forças policiais, construções de prisões e sistemas de seguridade social para consertar os problemas.
A base deste abandono da fé em Deus é a ampla por causa da aceitação do pensamento evolutivo – que tudo se fez por si mesmo através processos naturais; onde Deus não é mais necessário.
Existe ‘design’, na criação as pessoas vão admitir, mas nenhum designer é necessário. A coisa projetada projetou a si mesmo!
Este pensamento, onde a evidência simples para a existência de Deus (Rom. 1: 19-20) é explicada, leva naturalmente ao ateísmo (crença em nenhum deus) e o humanismo secular (o homem pode traçar seu próprio curso sem Deus).
Esse tipo de pensamento é abundante nas universidades e governos hoje. Alguns dos maiores males já vistos na história da humanidade; foram perpetrados por aqueles que adotaram uma abordagem evolucionária da moralidade – Lenin, Hitler, Stalin, Mao Zedong, Pol Pot.
O evolucionista ateu Sir Arthur Keithre conhecido de Hitler: “O Führer alemão… é um evolucionista; ele então conscientemente procurou fazer com que a prática da Alemanha se conformasse com a teoria da evolução[1].”
Muitos milhões (cerca de 500 milhões) sofreram terrivelmente e perderam suas vidas por causa de esta forma ateísta de pensar. O ateísmo mata, porque sem Deus lá não há regras – vale tudo!
Os ateus estão na vanguarda dos esforços para legitimar o aborto, a eutanásia, o uso de drogas, a prostituição, a pornografia, pedofilia e todo tipo de promiscuidade.
Todas essas coisas causam miséria, sofrimento e morte. O ateísmo é a filosofia da morte. Agora os ateus adoram apontar para atrocidades cometidas por supostos ‘cristãos’ – como nas Cruzadas e Irlanda do Norte – são as favoritas[2].
Se as pessoas cometendo esses atos terríveis eram de fato cristãos, eles estavam sendo inconsistentes com seu próprio padrão de moralidade (por exemplo, “não matar”, “Amar seus inimigos”).
No entanto, Stalin, Hitler e outros, estavam sendo consistente com as ideologias deles[3], porque, sendo ateu (depois de ler Darwin), ele não tinha objetivo base para qualquer padrão de moralidade.
Keith admitiu que Hitler também foi consistente com sua filosofia evolutiva.
O cristianismo diz: “Deus é amor”, “ame-se” e “ame os seus inimigos”. Esse amor é abnegado.
Consequentemente, os cristãos têm e esteve na vanguarda na ajuda aos enfermos, cuidando dos órfãos; dos idosos, alimentando os famintos, educando os pobres e se opondo à exploração através de coisas como trabalho infantil e escravidão.
O ateísmo, com sua lógica evolucionária, diz que ‘amor’ nada mais é do que o interesse próprio em aumentar as chances de nossos genes sobreviverem em nossa prole ou nossos parentes próximos.
Mas na ‘luta pela sobrevivência do mais apto’, onde está a base para a compaixão?
Os campos de extermínio de Hitler surgiram de seu desejo de que a ‘raça ariana’ vença a batalha pela ‘preservação de raças favorecidas na luta pela vida”.
No entanto, não só é destrutivo o ateísmo, ele é logicamente falho em suas raízes porque na verdade existe um Deus criador, como veremos.
Por isso em um século, de ateísmo as mudanças ateístas, piorou muito o mundo que vivemos e o tornou um lugar ainda mais sombrio.
Algumas estatísticas sociais para a Austrália, mostra uma relação entre o declínio da igreja no envolvimento com as crianças e aumento dos problemas sociais.
A proporção que as crianças deixam de ser a prioridade da igreja, aumenta o nível de violência, crimes e suicídios e da promiscuidade.
Outras estatísticas, mostram tendencias semelhantes, no aumento do divórcio, estupro, crimes hediondos e a corrupção social etc..
A influência da igreja nas escolas diminuiu drasticamente com a introdução do ensino da evolução em escolas públicas; nas décadas de 1950 e 1960. Estatísticas para outros países ‘cristãos’ mostram estatísticas e relacionamentos semelhantes[4].
EVIDÊNCIA BÍBLICA PARA A EXISTÊNCIA DE UM AUTOR DIVINO.
A Bíblia, além de proclamar a existência de Deus, também dá testemunho que Deus existe, porque só a inspiração divina pode explicar a existência deste livro mais notável e o mais antigo do mundo e mais lido e amado da humanidade.
As características que apontam para a sua autoria divina são:
A incrível unidade da Bíblia.
Apesar de ter sido escrito por mais de 40 autores de mais de 19 diferentes estilos de vida ao longo de cerca de 1.600 anos, o A Bíblia é uma revelação consistente do início ao fim.
De fato; do primeiro ao último livro da Bíblia, Gênesis e Apocalipse, se encaixam tão perfeitamente – contando sobre ‘Paraíso Perdido’ e ‘Paraíso Recuperado’ respectivamente, que falam poderosamente de sua autoria divina (compare, por exemplo, Gênesis 1–3 e Apocalipse 21–22).
A incrível preservação da Bíblia. Apesar da perseguição de políticos e religiosos, a Bíblia permanece. Este foi o caso de Antíoco Epifânio, que tentou destruir os manuscritos do antigo testamento.
O imperador romano Diocleciano, seguindo um édito em 303 dC, pensava que havia destruído toda Bíblia cristã que ele odiada. Ele ergueu uma coluna sobre as cinzas de uma Bíblia queimada para celebrar sua vitória.
Vinte e cinco anos depois, o novo imperador, Constantino, encomendou a produção de 50 Bíblias às custas do governo! A Bíblia está hoje disponível em muito mais idiomas do que qualquer outro livro.
Temos mais de cinco mil manuscritos completos do Novo testamento datados do segundo ao sexto século, sem variações ou adulteração. Com espaço de a aproximadamente de 50 anos entre a cópia original (45-90) e o manuscrito mais antigo (170 d.C.)
E mais 22 mil outros manuscritos incompletos. É possível reconstruir todo o texto, a partir só das milhares de citações dos pais da igreja.
O único documento antigo que tem tantas copias, é a Ilíada de Homero, com 600 manuscritos, mas com centenas de variações, com espaço de mais de mil anos entre o original e a cópia mais antiga.
Em 1946, em uma das cavernas de Qumran perto da costa noroeste do Mar Morto em Israel, um menino pastor beduíno, Muhammed edh-Dhib, descobriu um incrível tesouro de pergaminhos antigos.
Manuscritos já foram recuperados de 11 cavernas na área, uma coleção conhecida como Manuscritos do Mar Morto. Mais de 900 documentos antigos foram recuperados em um período de dez anos[5].
Mais de um terço dos rolos são cópias de livros do Antigo Testamento, como Gênesis, Êxodo, Reis e Salmos. Na primeira caverna, uma cópia quase completa do livro de Isaías foi encontrada, e isso foi chamado de Grande Pergaminho de Isaías.
Uma réplica do pergaminho está em exibição no Santuário do Livro no Museu de Israel, em Jerusalém. Cada livro do Velho Testamento, exceto o Livro de Ester, é representado entre os rolos[6].
Com base na análise da escrita, bem como nas idades das moedas encontradas nos locais e outros métodos, os pesquisadores consideram que os pergaminhos datam de cerca de 300 aC a 100 dC.
Isso significa que os Manuscritos do Mar Morto são mais de 1.000 anos mais velhos do que o manuscrito hebraico mais antigo do Antigo Testamento ainda existente, que foi datado por volta de 1000 DC [7].
A comparação do texto dos Manuscritos do Mar Morto com outros manuscritos mostra que os escribas copiaram fielmente o Antigo Testamento ao longo dos milênios.
Os últimos manuscritos aproximam os estudiosos do que os autores escreveram nos documentos originais.
Embora existam algumas pequenas diferenças em relação aos manuscritos posteriores, as diferenças são mínimas.
Geralmente são alterações de grafia ou pontuação que não afetam o significado do texto original, ou mesmo a pronúncia das palavras[8].
Essas descobertas notáveis ​​confirmam a fidelidade dos processos de cópia dos escribas e fornecem a confiança de que a Bíblia que tivemos por centenas de anos foi fielmente copiada do original.
Eles confirmam o extremo cuidado que os copistas hebreus demonstraram, em comparação com os copistas de manuscritos gregos[9].
Isso significa que o relato bíblico da história humana, da Criação, da Queda, do Dilúvio e dos outros eventos do Antigo Testamento reflete a precisão com que os autores escreveram nos documentos originais.
A exatidão histórica da Bíblia. Nelson Glueck, famoso judeu arqueólogo, falou sobre o que chamou de “o quase incrivelmente preciso memória histórica da Bíblia, e particularmente quando é fortificada por fato arqueológico[10]”.
Todos os povos mencionados na bíblia foram confirmados pelas ciências arqueológicas, como reais, e da forma exata como foram descritos.
William F. Albright, amplamente reconhecido como um dos grandes arqueólogos, afirmou:
“O ceticismo excessivo demonstrado em relação à Bíblia por importantes escolas históricas dos séculos XVIII e XIX, certas fases das quais ainda aparecem periodicamente, foi progressivamente desacreditado”.
“Descoberta após descoberta estabeleceu a precisão de inúmeros detalhes, e trouxe maior reconhecimento ao valor da Bíblia como fonte de história.”
Sir William Ramsay, considerado um dos maiores arqueólogos[11]; que foi treinado no ceticismo histórico alemão de meados do século XIX reconheceu que não acreditava que os documentos do Novo Testamento eram historicamente confiáveis.
No entanto, suas investigações arqueológicas o levaram a ver que seu ceticismo era injustificado. Ele teve uma mudança profunda de atitude.
Falando de Lucas, o escritor do Evangelho de Lucas e dos Atos dos Apóstolos, Ramsay disse: “Lucas é um historiador de primeira classe … ele deveria ser colocado junto com o maior dos historiadores” [12]
Quando os historiadores afirmam que a Bíblia está incorreta sobre um certo fato histórico, outras evidências invariavelmente provam que eles estão errados.
Além disso, quando os historiadores afirmam que a Bíblia está incorreta sobre um certo fato histórico, outras evidências invariavelmente provam que eles estão errados.
Por exemplo, antes de 1906, não havia nenhuma evidência fora da Bíblia para os hititas, e muitos historiadores pensaram que eram inteiramente fictícios. Mas em 1906, arqueólogos escavando na Turquia descobriram as ruínas de Hattusas, a capital dos hititas[13].
As tabuinhas de Ebla, datadas de cerca de 2300 aC, usam o nome ‘Canaã’, que muitos críticos contestaram ter sido usado há muito tempo. E a lista pode continuar indefinidamente.
Historicamente verificável.
Mais do que qualquer outro documento antigo, a Bíblia provou ser precisa na descrição de eventos históricos. Vou listar apenas alguns exemplos aqui.
Muitos ateus diziam que não havia evidencias que os hebreus não estiveram no Egito.
Mas recentemente a arqueologia descobriu evidências de um grande grupo de escravos semitas no Egito, consistente com a descrição da Bíblia da escravidão de Israel antes de seu êxodo sob Moisés.
A evidência sugere que esses escravos abandonaram suas casas repentinamente, deixando para trás muitas posses, assim como o Êxodo descreve.
Consistente com o relato bíblico do Faraó assassinando meninos hebreus para limitar a população hebraica, os arqueólogos encontraram corpos de bebês enterrados em circunstâncias incomuns sob muitas casas de escravos.
Jericho é outro exemplo. A Bíblia diz que Israel destruiu Jericó depois que seus muros imponentes caíram miraculosamente com os gritos dos israelitas.
Escavações descobriram essas paredes caídas, que formaram entradas em rampa para os invasores israelitas.
A Bíblia também diz que Israel queimou a cidade, obedecendo às instruções de Deus de devotar Jericó à destruição.
De acordo com a Bíblia, os arqueólogos encontraram uma camada de cinzas com um metro de espessura na cidade, incluindo muitos potes de armazenamento cheios de grãos.
Isso seria incomum porque os grãos eram uma mercadoria valiosa que normalmente seria tomada como pilhagem – exceto que a Bíblia diz que Deus disse aos israelitas para não tomarem pilhagem.
A arqueologia comprova a bíblia.
Em muitos pontos específicos, a arqueologia[14], confirma a exatidão da Bíblia[15].
O Museu Britânico possui um grande número de descobertas importantes que fornecem corroboração direta e confirmação de fundo para uma imensa extensão da história bíblica[16].
É possível percorrer uma seleção de peças do museu que constituem um notável resumo de todo o campo das descobertas arqueológicas relacionadas com a Bíblia.
No clima secular de hoje, a maioria das pessoas não tem ideia de quanta evidência poderosa existe para a precisão literal do registro bíblico
Nesse museu tem uma exposição encontrada em escavações dos palácios reais da Assíria(880 aC), o monumento assírio menciona os nomes de dois reis que aparecem com destaque no Antigo Testamento.
Assurnasirpal II (883–859 aC ). Shalmaneser III (também chamado de monólito Kurkh). Salmanasar III governou a Assíria de 859-824 aC[17].
Este texto descreve as seis primeiras campanhas militares de Salmaneser, incluindo menção específica de Acabe (rei de Israel) e Ben-Hadade I (rei da Síria)[18].
Dr. Clifford Wilson, acompanhou muitas investigações arqueológicas, que cada vez mais só confirmavam as Escrituras.
O Dr. Clifford Wilson[19] afirma: Tem havido muitas afirmações de que as coisas contradizem o relato bíblico, mas a Bíblia tem o hábito de ser provada certa, afinal”.
“Lembro-me bem de um dos maiores arqueólogos do mundo em Gezer repreendendo um arqueólogo mais jovem que estava “estragando” a Bíblia. Ele apenas disse calmamente:
“Bem, se eu fosse você, não iria estragar a Bíblia.’ Quando o arqueólogo mais jovem perguntou ‘Por quê? ele respondeu: ‘Bem, ela tem o hábito de provar que está certa, afinal”.
O professor Nelson Glueck, reconhecido como um dos cinco maiores ‘grandes’ da arqueologia bíblica, deu uma palestra maravilhosa para 120 estudantes americanos que interagiam com os árabes.
Ele disse: ‘Eu escavei por 30 anos com uma Bíblia em uma mão e uma espátula na outra e, em questões de perspectiva histórica, nunca achei que a Bíblia estivesse errada’.[20]
O Dr. Wilson, faz referência aos três deuses adorados logo depois do Dilúvio; pode de forma vaga, ser associada à Trindade, porque parece que as forças satânicas estão preparadas para oferecer uma paródia das realidades espirituais.
Os cananeus tinham três deuses principais. Eles tinham El, o pai, Baal, o filho, e Asherah, a mãe que é a esposa de El (e também a mãe de Baal, de acordo com alguns estudiosos).
Há alguns desafios quanto às inter-relações, mas você tem três deuses aí.
Então, quando os israelitas se afastaram de Jeová, eles receberam a oferta de adoração aos cananeus e seus três deuses sem todos os problemas de serem um povo santo e assim por diante.
Parece ser uma paródia da Trindade, que obviamente não foi totalmente revelada até a época do Novo Testamento. Mas os espíritos demoníacos sempre souberam da Trindade.
Existem muitos detalhes em que os céticos questionam a precisão Bíblia, geralmente com base na inexistência de evidências independentes (ou falácia de argumentar a partir do silêncio), apenas para descobrir que mais descobertas revelaram evidências para o relato bíblico
A precisão científica da Bíblia.
A bíblia não é um livro de ciências, mas ela não faz nenhuma afirmação anticientífica. A verdadeira ciência anda de mãos dadas com a verdadeira interpretação das Escrituras. Alguns exemplos:
Rotação da terra. A descrição dos 7 dias em Genesis 1, com manhã e tarde, descreve o movimento de rotação da terra, determinando, dia, mês, ano e estações. A sequência da criação é confirmada pela ciência.
A bíblia diz que a Terra é redonda (Is 40:22)[21]; A Terra está suspensa no espaço sem suporte (Jó 26: 7). A existência planetas, luas e estrelas.
As estrelas são incontáveis[22], embora muitas pessoas já tentaram conta-las (Gênesis 15: 5); no tempo de Jeremias, se cria que tinha 3000 estrelas no céu, mas ele profetiza que elas são incontáveis.
Só a nossa galáxia a Via Láctea (da qual nosso Sol faz parte) contém aproximadamente 200 bilhões de estrelas.
um computador, um dos mais rápidos disponíveis, que fizesse 10.000 milhões de cálculos em um segundo, o que é extremamente rápido!
Mesmo nessa grande velocidade, seriam necessários 30 milhões de anos de contagem ininterrupta para contar as estrelas, mas nenhum computador poderia durar tanto.
Os astrônomos disseram que o número total de estrelas no universo observável é estimado em 10 25 (1 seguido por 25 zeros). Ninguém sabe o número real.
Só Deus pode contar as estrelas! E Ele fez exatamente isso; Ele deu um nome a cada uma das estrelas, e cada estrela, tem um tamanho diferente uma cor diferente:
“Ele diz o número das estrelas; ele os chama a todos pelos seus nomes” (Salmo 147:4).
O ciclo da água (evaporação, nuvens, chuva). A terra é o único planeta no universo que tem água liquida e cobre 70% do planeta. Apenas 1% da água do mundo está prontamente disponível para consumo humano. Aproximadamente 97% é muito salgada e 2% é gelo.
As correntes marítimas; A menção no Salmo 8: 8 de ‘ veredas dos mares, fez O pioneiro da oceanografia Matthew Fontaine Maury (1806–1873) que foi levado por esse versículo para mapear as correntes de água[23].
Como Maury apontou, ‘A Bíblia é [a] autoridade para tudo o que ela toca’ – não apenas a doutrina, mas também a ciência e a história. Seu trabalho revolucionou a navegação, reduzindo drasticamente o tempo de viagem.
Maury deu glória a Deus por suas descobertas. E todos nós devemos dar a Deus a glória por todas as maravilhas da água e ser gratos a Ele por seus muitos usos[24].
Seres vivos reproduzem segundo sua espécie[25]; esse é um padrão genético imutável, descrito no inicio da criação, e só descoberto no século 20.
o que temos é uma variedade dentro de uma mesma espécie, cujo DNA, já tem essa informação codificada, para criar tal variedade, e nunca há ganho de informação, sempre perdas.
Porque não há mecanismo para a aquisição de características novas e mais complexas nos seres vivos.
Não há como gerar a nova informação genética necessária. A evolução dos micróbios para o homem requer tal mecanismo[26]
Não existe uma espécie virando outra espécie. Dinossauro não viraram aves, nem anfíbios viraram repteis. Cada espécie tem variação dentro da própria espécie, seja cães, peixes, repteis, mamíferos etc..
Muitos insights sobre saúde, higiene, 15 dieta,
As primeiras evidências que temos de práticas sanitárias e de saúde pública são encontradas nos primeiros cinco livros da Bíblia, o Pentateuco
Nesses escritos, os israelitas foram instruídos a isolar e, se necessário, colocar em quarentena aqueles que estavam doentes.
Deviam destruir objetos contaminados,  queimar curativos usados, e enterrar os dejetos fecais fora do acampamento.
Os israelitas foram proibidos de comer animais que morreram de causas naturais.
Eles também foram advertidos a praticar a higiene pessoal, lavando as mãos e mantendo-os limpos, e a tomar certos cuidados ao tocar no infectado ou morto.
É geralmente aceito que a ciência médica moderna surgiu em 1876, quando Louis Pasteur e Robert Koch demonstraram (quase simultaneamente e sem saber um do outro) a ideia de que o contágio passa de um indivíduo para outro[27].
As descobertas feitas por esses homens, no entanto, foram ignoradas e até mesmo rejeitadas com desdém por praticamente todo o estabelecimento médico de sua época.
Hoje, os médicos sabem que os patógenos não surgem espontaneamente, mas são descendentes de organismos pais que foram originalmente transmitidos de fora do corpo[28]
Fisiologia[29] (como a importância do sangue, por exemplo, (Lev .17:11); Então, a vida da carne está no sangue?
Embora não seja confirmada pela ciência até os tempos modernos, esta declaração de Levítico 17:11 sempre foi verdadeira.
O sangue mantém ativamente a vida, fornecendo uma função vital para todas as células, tecidos e órgãos e, portanto, para a vida de todo o corpo.
Quanto mais descobrimos sobre o impressionante design funcional e a complexidade do sangue, mais maravilhoso ele se torna para nós e mais honra e louvor são devidos ao seu Criador.
É claro que os fatos da medicina moderna concordam maravilhosamente com a Bíblia.
Por exemplo, os regulamentos Mosaicos relativos a partos, relações sexuais, lavagem das mãos, cuidados com feridas e alta, quarentena, precauções de sepultamento e eliminação de resíduos são exemplos que indicam que as doenças são transmissíveis e que a melhor proteção contra elas é prevenir a sua espalhar.
A primeira e a segunda leis de termodinâmica (por exemplo, Isaías 51:6) que diz que todas as coisas envelhecerão, sofrerão o efeito da ENTROPIA[30] (desordem); e muitas outras coisas[31].
A precisão profética da Bíblia.
A Bíblia afirma que a predição dos eventos é obra da providência Divina.
Eu predisse há muito as coisas passadas, minha boca as anunciou, e eu as fiz conhecidas; então repentinamente agi, e elas aconteceram.
Por isso há muito lhe contei essas coisas; antes que acontecessem eu as anunciei a você para que você não pudesse dizer: ‘Meus ídolos as fizeram; minha imagem de madeira e meu deus de metal as determinaram’. (Isaías 48:3,5)
Alguém vai procurar em vão por uma linha de profecia exata em outros livros religiosos, mas a Bíblia contém muitas profecias específicas e cumpridas fielmente.
O exemplo mais importante de cumprimento de profecia é o fato de que Jesus cumpriu as profecias messiânicas do Antigo Testamento.
Josh McDowel, em seu livro, Evidencias que exige um veredito, enumera mais 61 profecias a respeito de Jesus e outros já enumerou mais 300.
Como Seu lugar, hora e maneira de nascimento, traição, maneira de morte, sepultamento, etc., e tantos outras coisas que estavam além de Seu controle, para que pudesse simular seu cumprimento.
McDowell em seu livro; também documenta profecias detalhadas e específicas a respeito do Egito; Tiro, Sidon, Samaria, Gaza e Asquelom, Moabe e Amon, Petra e Edom, Tebas e Memphis, Nínive, Babilônia, Persa, Grécia, Roma; Corazin-Betsaida-Capernaum, Jerusalém e Palestina.
Ele mostra como essas profecias não foram’ pós-dições’ (isto é, escrito após o evento).
A visão da Estátua de Daniel conta a história dos grandes impérios que haveriam de se levantar. As 70 semanas faz a contagem exata até a morte do messias.
Temos a profecia de Isaías de que um rei Persa surgiria com o nome de Ciro – cerca de 150 anos antes do evento ocorrer[32].
O livro de Daniel também antecipa repetidamente os livros de história. Por exemplo, Daniel previu que a Grécia derrotaria o império medo-persa, que Daniel profetizou mesmo antes do próprio império MEDO-PERSA ter conquistado o império neobabilônico.
O capitulo 11 de Daniel é uma profecia com detalhes dos eventos históricos. As visões de Daniel foram preditas 200 anos antes de acontecerem.
Daniel previu quando Alexandre o Grande estabeleceria o seu grande reino, ele profetizou a derrota do império persa para os Gregos por volta de 331 a.C.
A profecia de Daniel foi além, no entanto, registrando com precisão que o rei grego (Alexandre) morreria logo após sua ascensão ao poder, e que seu reino seria dividido em quatro partes.
Alexandre morreu com cerca de 30 anos, após o que seu reino se dividiu em quatro reinos menores chefiados por quatro de seus generais, e dois se tornariam o palco central dos acontecimentos na terra santa (Egito e Síria).
A probabilidade de todas essas coisas acontecerem por acaso é efetivamente zero. Apenas os deliberadamente ignorantes (2 Pedro 3: 5) podem negar isso evidência de que Deus deve ter inspirado essas profecias.
A influência civilizadora da Bíblia. A mensagem da Bíblia elevada os “bárbaros” bebedores de sangue das Ilhas Britânicas à decência.
É o com base na common law inglesa, na American Bill of Rights e nas grandes democracias como o Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia.
A bíblia criou o direito jus naturale, o direito romano, e as todas as garantias constitucionais, liberdade, igualdade, valorização da pessoa humana, privilégios próprios das democracias ocidentais, forjadas pela bíblia e pela reforma.
Todas as conquistas sociais nasceram a partir das Escrituras, seja a liberdade de expressão, os direitos trabalhistas, o fim da Escravidão, do racismo.
A Bíblia inspirou a mais nobre LITERATURA – de Dante, Shakespeare, Milton, Pope, Scott, Coleridge e Kipling, para citar alguns – e a ARTE de como Leonardo da Vinci, Michelangelo, Raphael e Rembrandt.
A Bíblia inspirou a MÚSICA requintada de Bach, Handel, Haydn, Mendelssohn e Brahms.
Na verdade, o declínio da aceitação da visão bíblica do mundo no Ocidente foi acompanhado por um declínio na beleza da arte, hoje a feiura é exaltada e beleza reprimida[33].
A absoluta honestidade da Bíblia.
Alguém disse: “A Bíblia não é um livro que o homem poderia escrever se quisesse, ou escreveria se pudesse.”
A Bíblia não honra o homem, mas a Deus. As pessoas na Bíblia têm pés de barro; eles são mostrados ‘com verrugas e tudo’.
Sua pecaminosidade e infidelidade, a santidade e fidelidade de Deus brilhar.
Até mesmo os heróis da fé (Heb .11) ter suas falhas registradas, incluindo Noé (Gênesis 9:20 –24), Moisés (Números 20: 7–12), Davi (2 Sam. 11), Elias (1 Reis 19), e Pedro (Mat. 26:74).
Por outro lado, os inimigos de Deus são frequentemente elogiados, por exemplo, Artaxerxes (Neh. 2), Dario o Medo (Dan. 6) e Júlio (At 27: 1-3). Estes são claras indicações que a Bíblia não foi escrita numa perspectiva humana.
Vidas transformadas pela mensagem da Bíblia.
Certa vez em São Francisco, um Homem  desafiou o Dr. Harry Ironside para um debate sobre ‘Agnosticismo[34] versus Cristandade’.
O Dr. Ironside concordou, mas com uma condição: que o agnóstico primeiro forneça evidências de que o agnosticismo foi benéfico o suficiente para ser defendido.
O Dr. Ironside desafiou o agnóstico a trazer uma pessoa que tinha sido visivelmente (um bêbado, criminoso, ladrão) e uma mulher que tinha estado presa em uma vida degradada (tal como prostituição), e mostrar que ambas as pessoas foram resgatadas de suas vidas de degradação ao abraçar a filosofia de agnosticismo.
O Dr. Ironside comprometeu-se a trazer 100 homens e mulheres para o debate; que foram gloriosamente resgatados e transformados por crerem no Evangelho.
O agnóstico ficou ridicularizado, e cético retirou seu desafio de debater como o Dr. Ironside.
A mensagem da Bíblia conserta vidas quebradas pelo pecado, que separa nós de nosso santo Criador.
Em contraste, AGNOSTICISMO E ATEÍSMO, como todas filosofias anti-Deus, destrói as almas e nunca há melhora.
Hoje a mensagem da Bíblia ainda transforma. Tribos animistas nas Filipinas ainda hoje estão sendo libertadas do medo, e ex-canibais em Papua Nova Guiné e Fiji agora vivem em paz, todos por causa do Evangelho.
CONCLUSÃO:
O Evangelho transformou a vida de milhões de pessoas, a verdadeira evidencia da existência divina, é o milagre da conversão.
Romanos 1.16 “Porquanto não me envergonho do Evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que nele crê; primeiro do judeu, assim como do grego”
A maior evidencia da existência divina é a salvação dos pecadores, que os transforma em uma nova criatura em Jesus Cristo.
[1] 1. Keith, A., Evolution and Ethics, Putman, US, p. 230, 1947.
[2] The Crusades were a response to Islamic oppression. See Spencer, R., The politically  incorrect guide to Islam (and the Crusades), Regnery Publishing, US, 2005
[3] Keith, A., Evolution and Ethics, Putman, US, p. 230, 1947.2. As Cruzadas foram uma resposta à opressão islâmica. Veja Spencer, R., The politicallyguia incorreto para o Islã (e as Cruzadas), Regnery Publishing, EUA, 2005.
[4] Sources of data: Childhood church contact from Why don’t people go to church? National Church Life Survey (2002). Social stats from State of the Nation: a century of change, The Centre for Independent Studies, Australia, 2001; cis.org.au
[5] Wellman, J., Quais são os Manuscritos do Mar Morto? As razões pelas quais são importantes, whatchristianswanttoknow.com; acessado em 1 de dezembro de 2015.
https://creation.com/biblical-text-transmitted-accurately-over-millennia; acessado em 06/10;2021
[6] Masters, P., Heritage of Evidence , The Wakeman Trust, Londres, p. 43, 2004
[7] Biblioteca Digital dos Manuscritos do Mar Morto de Leon Levy, introdução; deadseascrolls.org; acessado em 1 de dezembro de 2015
[8] Hawkins, B., Why the Dead Sea Scrolls matter, Baptist Press, 27 de junho de 2012; bpnews.net; acessado em 1 de dezembro de 2015.
[9] Sarfati, JD, The Genesis Account , Creation Book Publishers, Powder Springs, GA, p. 461, 2015
[10] . Geisler, N.L. and Nix, W.E., A General Introduction to the Bible, Moody Press, US, 1986
[11] The basic concept for this section comes from Willmington, H.L., Willmington’s Guide to the Bible, Tyndale House Publishers, US, pp. 810–824, 1981.
[12] Ramsay, W., Bearing of Recent Discoveries on the Trustworthiness of the New Testament,
Baker Books, US, p. 222, 1953.
[13] aul Maier, Biblical Archaeology: Factual evidencias para apoiar a historicidade da Bíblia, Creation Research Journal 27 (2), 2004, equip.org
[14] See creation.com/archaeology. For comprehensive information on the Bible and archaeology, see Associates for Biblical Research; biblearchaeology.org.
[15] O Dr. Clifford Wilson tem uma formação considerável em arqueologia. Ele é bacharel em artes e mestre em artes pela Sydney University, bacharel em divindade (pós-graduado, incluindo hebraico e grego) pelo Melbourne College of Divinity e mestre em educação religiosa pelo Luther Rice Seminary. Seu Ph.D. é da Universidade da Carolina do Sul e incluiu ‘A’s para o trabalho de campo em arqueologia realizado em associação com o Hebrew Union College em Jerusalém.
[16]Consulte a documentação em Masters, P., Heritage of Evidence no British Museum, The Wakeman Trust, Londres, 2004
[17] https://creation.com/assyrian-monuments
[18] “Eu me aproximei de Karkar. Eu destruí, derrubei e amarrei Karkar, sua residência real. Ele trouxe para ajudá-lo 1.200 carros, 1.200 cavaleiros, 20.000 soldados de infantaria pertencentes a Hadadezer [Benhadad I] de Damasco, … 2.000 carros, 10.000 soldados pertencentes a Acabe, o israelita …
[19] https://creation.com/archaeologist-confirms-creation-and-the-bible
[20] https://creation.com/archaeologist-confirms-creation-and-the-bible
[21] McDowell, 1972
[22] eople of old thought that the stars could be counted—there were about 1200 visible stars.
Ptolemy (ad 150) dogmatically stated that the number of stars was exactly 1056. See Gitt,
W., Counting the stars, Creation 19(2):10–13, 1997; creation.com/star-count.
[23] Veja Lamont, A., 21 Grandes Cientistas que acreditaram na Bíblia, Creation Science Foundation, Australia, pp. 120–131, 1995.
[24] https://creation.com/the-wonders-of-water
[25] Batten, D., Dogs breeding dogs? That’s not evolution, Creation 18(2):20–23, 1996; creation.
com/dogs.
[26] https://creation.com/dogs-breeding-dogs
[27] https://creation.com/modern-medicine
[28] https://creation.com/modern-medicine
[29] Hodge, A., Life is in the blood, Creation 33(3):12–15, 2011; creation.com/blood
[30] A entropia é uma grandeza termodinâmica associada à irreversibilidade dos estados de um sistema físico. É comumente associada ao grau de “desordem” ou “aleatoriedade” de um sistema. De acordo com um dos enunciados da 2ª Lei da Termodinâmica:
[31] . Morris, H.M., The Biblical Basis of Modern Science, Baker Book House, US, 1984
[32] Décadas antes de os babilônios destruírem o templo em Jerusalém, Isaías profetizou que um homem chamado Ciro daria a ordem para reconstruir o templo ( Isaías 44: 24–28 ). Além disso, Isaías profetizou que Deus subjugaria as nações antes de Ciro ( Isaías 45: 1-3 ). Isso aconteceu cerca de 150 anos depois , quando Deus entregou o império babilônico nas mãos do império medo-persa, e um rei chamado Ciro decretou que o templo fosse reconstruído ( Esdras 1: 1-4 ).
[33] . Schaeffer, F., Escape from Reason, Inter-Varsity Press, UK, 1968
[34] Agnosticism is another form of unbelief that denies the truth of God’s Word by claiming that we cannot know if God exists. It is in practice little different from atheism.
Related Media
Related Sermons