Faithlife Sermons

FRASES DIFÍCEIS NA AGONIA

Livre  •  Sermon  •  Submitted
0 ratings
· 10 views
Notes
Transcript

INTRODUÇÃO

Hoje iremos discorrer em um dos livros mais conhecidos, e por consequência, um dos mais lidos da Bíblia. É o maior dentre todos, e bastante fácil de encontrar, pois basta abrir a Palavra mais ou menos no meio, e direto somos apresentados a uma literatura incrivelmente atraente, comovente, envolvente, estimulante e, de certa forma, de fácil compreensão. Estou me referindo ao livro dos Salmos. O ambiente devocional desse livro tem conquistado corações em todas as gerações. Quem nunca fez referência a Salmos em algum momento da vida? Quem nunca disse “O Senhor é o meu Pastor”, ou “Elevo os meu olhos para os montes”, ou ainda “Alegrei-me quando me disseram: vamos à Casa do Senhor”? Ou quem nunca citou determinado versículo bíblico ou mesmo ditado popular e, na dúvida de onde estava escrito, creditou de forma equivocada a algum Salmo? (Ex: “acho que é Salmos que está escrito que o justo viverá pela fé”) O certo é que o Livro dos Salmos atrai nossa atenção, e existem motivos para isso.

SOBRE O LIVRO

O título do livro, tem a ver, tanto no grego quanto no hebraico, com música. A palavra hebraica é

MIZMÔR (מִזְמ֥וֹר ) Cantar ou tocar

cuja raiz aponta para cantar ou tocar. Uma tradução da Bíblia do hebraico para o Grego chamada SEPTUAGINTA usou a palavra grega

ψαλμος psalmos

para traduzir MIZMÔR, gerando assim o nome SALMOS que conhecemos. Perceba que tem a ver com música, e tem a ver com a alma, pois o psi do início remete à alma (psiquê) assim sendo, é algo por si só muito marcante para a alma. É uma música que vem da alma e é endereçada à alma. Está aí um motivo pelo qual Salmos toca tanto, pois é escrito dentro de uma métrica musical que mexe com a alma.
O livro contém 150 composições poéticas, divididos em cinco livros (que não vou discorrer sobre isso) diferenciados em sete gêneros (recordação, realeza, sabedoria, etc), dos quais quero destacar 3:

GÊNERO DE LAMENTO, ALEGRIA E AÇÕES DE GRAÇAS

Quando o adorador Israelita estava em harmonia com Deus, ele cantava um Salmo de alegria (“Celebrai com júbilo ao Senhor todas as terras”). Quando estava agradecido, entoava um Salmo de ação de graças (“Rendei graças a o Senhor, porque Ele é bom...”) e quando Deus parecia distante, e o adorador se sentia cercada por tormentas e agonia, ele entoava um Salmo de lamento, que é o caso do Salmo 13 que estudaremos hoje.
Ou seja, o adorador de Israel tinha nos lábios um Salmo, um MIZMÔR ao Deus de toda graça em toda situação que estivesse.
Qual seu estado de espírito agora? Está feliz? Recebeu uma ligação de alguém que a muito não via? Está comemorando mais um ano de vida? Está olhando ao seu redor e vendo todos com saúde, vida e harmonia? Teve a notícia que seu emprego está mantido? QUAL MÚSICA (MIZMÔR) SAIU DE SEUS LÁBIOS AO DEUS DE TODA GRAÇA?
Qual seu estado de espírito agora? Está agradecido? Pôde sair com segurança hoje a tarde para fazer a compra do mês? Teve condições de tirar uma parte para auxiliar um irmão carente? Está agradecido pela condição de ter uma internet em casa e poder assistir a esse culto ou continuar seu trabalho a partir de casa? Está agradecido pela saúde que se mantém em você? QUAL MÚSICA (MIZMÔR) SAIU DE SEUS LÁBIOS AO DEUS DE TODA GRAÇA?
Talvez você esteja sentindo Deus distante. Está se sentindo cercado por um inimigo cruel. Sente uma agonia que te pressiona e sufoca. TEM UMA MÚSICA (MIZMÔR) SINCERA PARA ENTOAR TAMBÉM, SABIA? Uma música com palavras que os lábios tem receio de pronunciar, pois revelam realidades da alma que estamos fugindo. Tem um cântico de lamento no SALMO 13 que nos ensinará a ter coragem para liberarmos “FRASES DIFÍCEIS NA AGONIA”.

FRASES DIFÍCEIS NA AGONIA

O Salmo 13 é o menor dos Salmos de lamento, mas carrega, em apenas seis versículos, a estrutura peculiar dos Salmos desse gênero, que apresentam mudanças radicais na condução literária:
COMEÇA COM UM PROTESTO (v 1 e 2), muda para uma PETIÇÃO INTENSA (3 e 4) e passa da petição para um LOUVOR (5 e 6).
Essa estrutura é que vai nos auxiliar a extrair as PALAVRAS DIFÍCEIS NA AGONIA. A primeira palavra vem do protesto e é:

ATÉ QUANDO SENHOR?

Os versículos 1 e 2 tratam de um PROTESTO INTENSO, tanto que é usado a interjeição (אנה ’anah) traduzida pelo QUANDO, que é aplicada em uma súplica angustiante, com mãos se esfregando. Davi está abrindo a porta de um compartimento de sua alma que ele não pretendia visitar. Um lugar que expunha a fragilidade do rei, o medo do rei, o sentimento de abandono do rei. Davi sentia Deus ausente, e brada com todas as forças uma frase presa em sua alma: ATÉ QUANDO SENHOR?
Salmo 13.1–2 BEARA
Até quando, Senhor? Esquecer-te-ás de mim para sempre? Até quando ocultarás de mim o rosto? Até quando estarei eu relutando dentro de minha alma, com tristeza no coração cada dia? Até quando se erguerá contra mim o meu inimigo?
Salmo 13.1–2 RA
Até quando, Senhor? Esquecer-te-ás de mim para sempre? Até quando ocultarás de mim o rosto? Até quando estarei eu relutando dentro de minha alma, com tristeza no coração cada dia? Até quando se erguerá contra mim o meu inimigo?
Salmo 13.1–2 NVI
Até quando, Senhor? Para sempre te esquecerás de mim? Até quando esconderás de mim o teu rosto? Até quando terei inquietações e tristeza no coração dia após dia? Até quando o meu inimigo triunfará sobre mim?
Quando nós nos atrevemos a cantar um SALMO DE LAMENTO, nos permitimos visitar os quartos desarrumados da nossa alma. Sabe aquele ambiente em sua casa que você está sempre procrastinado, adiando a arrumação? O cômodo está tão sujo, que dá vontade de chorar? Chegou o dia de arrumar, e liberar as palavras presas como TÁ DOENDO! TÔ COM MEDO! TÔ ANSIOSO! ONDE ESTÁS, SENHOR?
Davi solta o brado 4 vezes em apenas dois versículos. 1.1 ATÉ QUANDO SENHOR? PARA SEMPRE SE ESQUECERÁS DE MIM?
Essa primeira frase é difícil na agonia pois temos a tendência de disfarçarmos nossos sentimentos até onde podemos. A esposa não pode saber, o filho deve ter a imagem de força dos pais, a igreja pode não entender nossa impressão de que Deus está distante. Mas a agonia vai crescendo na crise, pois quanto mais se ora, mais Deus parece surdo, aí o desabafo é inevitável. O protesto legítimo, de alguém que está se sentindo abandonado é visto pela segunda vez na sincera e difícil declaração do Salmista: 1.3 ATÉ QUANDO ESCONDERÁS DE MIM O ROSTO? (v1) A imagem é de alguém que vira as costas e não dá atenção à necessidade do suplicante. É como se sentir rejeitado e tratado com uma revoltante indiferença. E então Davi começa a tirar as coisas tristes de dentro do porão da alma: 1.4 ATÉ QUANDO TEREI INQUIETAÇÕES E TRISTEZA NO CORAÇÃO DIA APÓS DIA? Irmãos, o tempo é triste e sombrio. Chegou o tempo de derramarmos diante de Deus as verdades do nosso coração e reconhecer: ESTOU TRISTE! E essa tristeza me acompanha dia a dia. 1.5 Até quando o MEU INIMIGO TRIUNFARÁ SOBRE MIM? Aqui o Salmista não dá nome ao inimigo, apenas diz que ele existe. Isso abre espaço para incluirmos o inimigo que se levanta contra nós. E alguns estão mais fortes que nunca nessa pandemia: temperamentos incontroláveis
já eram inimigos ferrenhos, mas agora ganharam força. A frieza espiritual era um inimigo presente, mas o acolhimento comunitário ajudava. E agora? A luta contra a carnalidade era difícil, e hoje mais ainda. Pesquisas apontam que a busca por material pornográfico triplicou na pandemia. Até quando esses inimigos triunfarão??? ATÉ QUANDO SENHOR?
Essa frase é difícil na agonia pois TEMOS A TENDÊNCIA DE ESCONDERMOS NOSSOS REAIS SENTIMENTOS. Um importante caminho para cura é soltar a voz da alma: ATÉ QUANDO SENHOR? E junto dessa, reconhecer que ESTÁ DOENDO, ESTOU TRISTE, NÃO SUPORTO MAIS. São frases difíceis, mas importantes em uma caminho de cura.
Mas outra frase difícil na agonia que o texto nos apresenta é:

OLHA PRA MIM SENHOR!

Essa frase representa a INSISTÊNCIA e PERSEVERANÇA diante de Deus, algo que é raro na agonia; ainda mais quando o tempo passa e nada acontece. Lembram da imagem de uma pessoa com as costas viradas para nós, caminhando sem dar atenção, sem o mínimo interesse pelas nossas causas? Essa é a imagem de Deus na ótica do Salmista, mas ele não se cansa, e vai atrás de Deus de forma insistente dizendo:
Sl13.3-4
Salmo 13.3–4 NVI
Olha para mim e responde, Senhor, meu Deus. Ilumina os meus olhos, ou do contrário dormirei o sono da morte; os meus inimigos dirão: “Eu o venci”, e os meus adversários festejarão o meu fracasso.
Essa frase é difícil na agonia pela forte tendência que temos de DESESPERARMOS diante do silêncio de Deus. E nesse desespero, damos as costas ao Senhor e vamos buscar nossa própria solução. Dificilmente insistimos, perseveramos junto à porta do céu clamando: OLHA PARA MIM E RESPONDE. ILUMINA OS MEUS OLHOS, OU MORREREI E MEUS INIMIGOS FESTEJARÃO!
O Salmista aqui já não protesta, ele agora implora, em uma petição angustiante, porém firme.
Quantas vezes nossos SALMOS DE LAMENTO ficam apenas no campo do protesto e desabafo não é mesmo? Mas é necessário, por mais difícil que seja, passarmos para o campo da perseverança e reconhecimento de que a resposta certa só pode vir do Senhor.
ILUSTRAÇÃO: Há cerca de 20 anos, eu estava desempregado e em um tempo de agonia pois estava muito desapontado e me sentindo injustiçado em uma situação na Igreja. Orava sempre o ATÉ QUANDO, pois a agonia era grande, mas comecei a ficar preso ao campo da desesperança. Não ouvia mais minhas canções, e nem canções evangélicas, pois aquilo me reportava à situação que me afligia na Igreja. Se ouvia música eram canções de um programa diário que tocava belas canções da MPB. Estava fraco espiritualmente, sem forças para continuar. Um dia, estava atravessando uma ponte em Valadares, e Deus usou uma canção popular para chamar minha atenção para ele. Ela dizia o seguinte: “Desesperar jamais, aprendemos muito nesses anos. Afinal de contas não tem cabimento entregar o jogo no primeiro tempo...” Fui desafiado a acreditar que o jogo não havia acabado. Comecei a orar de novo, bater, clamar, buscar. Ia em reuniões em Igrejas a tarde, a noite, orava e chorava em casa dizendo: “Senhor, OLHA PARA MIM E RESPONDE-ME”. Tinha em minha mente sempre a figura de uma viúva que Lucas 18 relata, em que ela importunava um juiz para julgar sua causa. Esse juiz era iníquo, mas julgou a causa dela por tanto que ela o importunava. Jesus então disse:
Lc18.7
Lucas 18.7 NVI
Acaso Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite? Continuará fazendo-os esperar?
No final da história, recebi um telefonema de uma Imobiliária me oferecendo emprego. Apesar de eu não ter carteira de moto, eles me contrataram, pagaram minhas aulas na auto escola e fui recolocado no mercado de trabalho. INSISTA! CLAME! BUSQUE! NÃO SE DESESPERE! Clame sempre: OLHA PARA MIM, SENHOR, por mais difícil que seja essa frase em tempos de agonia.
ATÉ QUANDO SENHOR é difícil pela nossa tendência em disfarçar as realidades da alma. OLHA PARA MIM é difícil por nossa tendência em desesperar e não manter perseverança. A próxima frase é dificílima também em tempos de agonia, mas foi declarada com ousadia pelo Salmista:

EU CONFIO EM TEU AMOR

O Salmista atravessa o caminho do protesto, passa para a petição perseverante e agora se encontra em um local que mostra esperança. Mesmo não tendo a resposta de sua queixa, ele encontra alento e confiança no grande amor de Deus.
Sl13.5
Salmo 13.5 NVI
Eu, porém, confio em teu amor; o meu coração exulta em tua salvação.
A palavra traduzida aqui como amor pode também ser traduzida por bondade, lealdade, misericórdia, fidelidade, graça. Essa palavra engloba os atributos de Deus. Aqui o Salmista começa a sair dos porões escuros da alma e contemplar o maior benefício que ele tem, que é a presença do Deus leal, fiel, bom, amoroso e misericordioso com ele. Em meio a toda agonia, perseguição e até ao silêncio de Deus, o Salmista tem motivos de sobra para confiar em Deus por tudo o que Ele é! Como não confiar no Deus que, por mais que tenha demorado aos olhos humanos, sempre respondeu e agiu a favor dos Seus? Providenciou todo essa avanço tecnológico espantoso, para estarmos assistidos nesse tempo. Providencia corações empáticos e mãos amorosas que vêm ao seu e ao meu encontro seja com uma ligação, um compartilhamento de uma canção, um texto bíblico, uma cesta básica, um valor em dinheiro, uma ajuda qualquer, uma PROVIDÊNCIA no tempo certo. Providenciou a família que está ao seu redor agora, ou lembrando de você nesse momento. Tudo vem desse Deus que é todo bondade, amor, graça, misericórdia, fidelidade e lealdade. Confiemos Nele, por tudo o que Ele é!
CONCLUSÃO
Vimos frases extremamente difíceis de pronunciar em tempos de agonia, porém necessárias para nos fortalecer e aquecer nossa esperança. Vimos ATÉ QUANDO SENHOR, que é difícil pronunciar na dor porque representa visitar as revoltas da alma e reconhecer nosso estado real de DOR, TORMENTO, FRAGILIDADE. Depois passamos pela frase OLHA PRA MIM que é difícil pronunciar por nossa dificuldade em perseverar em tempos de agonia, e buscar o Senhor a despeito de seu silêncio. Por último vimos a frase EU CONFIO EM TEU AMOR, que é também difícil pronunciar pois nos força a sair dos porões amargos da alma e contemplar os feitos de Deus em nós e enxergarmos o Seu amor, bondade, fidelidade, lealdade, ou seja, adorarmos a Deus pelo que Ele é. E a verdade é que ELE É O QUE É em toda e qualquer situação. Nós mudamos, passamos por tempos bons e ruins, e ELE CONTINUA A SER! Saber disso nos ajuda a louvá-lo, mesmo na agonia e dor. O Salmo 13 encerra sem um desfecho com a propagação da resposta de Deus a Davi. Talvez você esteja ouvindo esta mensagem e sua queixa ainda é ATÉ QUANDO SENHOR. Contudo, continue a pedir OLHA PARA MIM, e mesmo em dor, CONFIE NO AMOR DO SENHOR!
Davi até o versículo 5 conversou com Deus, mas no versículo 6 ele encerra testemunhando a decisão dele depois de contemplar tudo o que Deus era para Ele. É como se ele fizesse uma LIVE aqui na página da IPP, e desse um testemunho de que os inimigos continuam e o tempo de dor se mantém teimosamente em sua vida, porém ele decide algo que deve ser a minha e sua decisão. Ele diz:
Sl13.6
Salmo 13.6 NVI
Quero cantar ao Senhor pelo bem que me tem feito.
Mesmo diante do silêncio de Deus, QUEIRA CANTAR AO SENHOR PELO BEM QUE TEM FEITO A VOCÊ! Que Ele nos abençoe.
Related Media
Related Sermons