Faithlife Sermons

Quem foi vencido no Calvário?

Sermões avulsos  •  Sermon  •  Submitted
0 ratings
· 3 views

Não foi apenas Jesus quem morreu no Calvário. Com ele, morreram também o juízo que pesava sobre nós e a separação de Deus que o pecado causa.

Notes
Transcript
Marcos 15.33–39 RA
Chegada a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra até a hora nona. À hora nona, clamou Jesus em alta voz: Eloí, Eloí, lamá sabactâni? Que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Alguns dos que ali estavam, ouvindo isto, diziam: Vede, chama por Elias! E um deles correu a embeber uma esponja em vinagre e, pondo-a na ponta de um caniço, deu-lhe de beber, dizendo: Deixai, vejamos se Elias vem tirá-lo! Mas Jesus, dando um grande brado, expirou. E o véu do santuário rasgou-se em duas partes, de alto a baixo. O centurião que estava em frente dele, vendo que assim expirara, disse: Verdadeiramente, este homem era o Filho de Deus.
Marcos 15.33–41 RA
Chegada a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra até a hora nona. À hora nona, clamou Jesus em alta voz: Eloí, Eloí, lamá sabactâni? Que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Alguns dos que ali estavam, ouvindo isto, diziam: Vede, chama por Elias! E um deles correu a embeber uma esponja em vinagre e, pondo-a na ponta de um caniço, deu-lhe de beber, dizendo: Deixai, vejamos se Elias vem tirá-lo! Mas Jesus, dando um grande brado, expirou. E o véu do santuário rasgou-se em duas partes, de alto a baixo. O centurião que estava em frente dele, vendo que assim expirara, disse: Verdadeiramente, este homem era o Filho de Deus. Estavam também ali algumas mulheres, observando de longe; entre elas, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, o menor, e de José, e Salomé; as quais, quando Jesus estava na Galileia, o acompanhavam e serviam; e, além destas, muitas outras que haviam subido com ele para Jerusalém.
Introdução
A insatisfação do homem. Constante sensação de que há algo errado consigo e com o mundo. Uma sensação indefinível, presente em todas as pessoas. Busca de respostas e de uma solução, insatisfatória a longo prazo.
A pergunta está certa, a resposta errada. Realmente há algo errado, mas não o que se pensa. Não nos sistemas corrompidos ou em pessoas problemáticas, apesar de serem sintomas de uma doença ainda pior.
Devemos buscar a resposta que satisfaz como o nosso Criador a define. Mais ainda, a solução em seus termos. Solução que encontraremos na cruz, a qual celebramos hoje.
Explicação
A cruz: a humilhação final de Cristo. O ponto alto da rebelião humana contra Deus. Injustiça, blasfêmia. Zombaria contra a sua autoridade, o seu poder. O rei crucificado, sendo feito maldito por amor de nós. Abandono dos seus. Mesmo os presentes à distância. Ainda que em sofrimento terrível, palavras de amor e cuidado, de perdão.
Os inimigos de Cristo, seu triunfo. Não conseguem ver além das aparências. Primeiro, o que o prendia na cruz não eram os cravos, mas o amor de Deus. Segundo, não eram eles que tomavam a vida de Cristo, ele é que a entregava. Terceiro, não compreendiam que o sacrifício de Cristo era o final da ordem de coisas estabelecidas desde a queda. É justamente sobre este novo tempo que queremos tratar hoje.

Quem foi vencido no Calvário?

Sabemos que o Filho de Deus foi morto naquele dia; mas ele não foi vencido. A cruz é a sua vitória, o seu grito final no verso 37 é o ‘está consumado’, ‘venci’, ‘fiz tudo o que fui enviado a fazer’; mas, naquela sexta houve sim derrotados. O juízo que pesava sobre nós e a separação entre o homem e Deus foram definitivamente vencidos, para todo aquele que compreende o que Jesus conquistou.

O juízo que pesava sobre nós

O homem, responsável perante Deus. Criados por ele. escolha consciente de desobediência de Adão e Eva. Não apenas por eles, mas porque continuamos a pecar.
Um Deus justo poderia tolerar o pecado, a rebelião contra sua justa lei? . Um Deus vingador, cheio de ira contra o pecado. Ira que não contradiz o seu amor, porque (1) o amor só é amor se exigente; (2) quem ama disciplina e (3) o amor de Deus pelos que são seus exige a justiça sobre os pecadores rebeldes.
Naum 1.3 RA
O Senhor é tardio em irar-se, mas grande em poder e jamais inocenta o culpado; o Senhor tem o seu caminho na tormenta e na tempestade, e as nuvens são o pó dos seus pés.
Comum dizer que todos somos filhos de Deus. A Bíblia, porém: . Ira que se manifesta em sofrimento nesta vida e depois morte eterna. Inferno, não aqui: um lugar real e eterno.
Efésios 2.2 RA
nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência;
Efésios 2.3 RA
entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais.
: Deus não tem prazer em que alguém pereça. Como, porém, satisfazer a justiça? A sujeira não pode ir para debaixo do tapete.
Ezequiel 18.23 RA
Acaso, tenho eu prazer na morte do perverso? —diz o Senhor Deus; não desejo eu, antes, que ele se converta dos seus caminhos e viva?
Jesus na cruz, por volta de três da tarde. Trevas intensas (v. 33). O que significa? : sinal da ira de Deus, derramada sobre Jesus. Sofrendo toda consequência do pecado, no físico e no espírito. Não errado dizer que o inferno caiu sobre Jesus naquela hora. Não a ira dos inimigos, mas a do Pai, despejada sobre o Filho.
Amós 8.9–10 RA
Sucederá que, naquele dia, diz o Senhor Deus, farei que o sol se ponha ao meio-dia e entenebrecerei a terra em dia claro. Converterei as vossas festas em luto e todos os vossos cânticos em lamentações; porei pano de saco sobre todos os lombos e calva sobre toda cabeça; e farei que isso seja como luto por filho único, luto cujo fim será como dia de amarguras.
: O Santo e Justo se faz pecador por amor de nós. Ele tornado injusto, suportando a ira, para que fôssemos justos. De modo que . Todo o pecado deixado para trás, nossas condenações, a ira de Deus. Consciência purificada, corpos lavados, espírito pronto para o céu. A morte de Jesus é a morte do juízo para os que creem.
2Coríntios 5.21 RA
Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus.
Romanos 8.1 RA
Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.
Mas para os que não creem: olhe para o que aconteceu com Cristo. O peso terrível da ira de Deus, que ainda está sobre você. A descrição é terrível: - chama inextinguível, apenas um dedo molhado. - a grande ira de Deus e do Cordeiro. - a segunda morte.
Lucas 16.24 RA
Então, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim! E manda a Lázaro que molhe em água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama.
Apocalipse 6.15–17 RA
Os reis da terra, os grandes, os comandantes, os ricos, os poderosos e todo escravo e todo livre se esconderam nas cavernas e nos penhascos dos montes e disseram aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós e escondei-nos da face daquele que se assenta no trono e da ira do Cordeiro, porque chegou o grande Dia da ira deles; e quem é que pode suster-se?
Apocalipse 21.8 RA
Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte.
Para os que creem: sua fé é escudo contra as acusações de Satanás. Certeza diante do passado. Consolo e ânimo diante das quedas acidentais. A morte de Jesus é a morte do juízo que pesava sobre nós.
E, uma vez morto o juízo contra os que creem, uma outra vítima encontra o seu Calvário, a separação entre o homem e o seu Deus.

A separação entre o homem e o seu Deus

Quando do pecado original, abismo estabelecido. Não mais acesso a Deus, um relacionamento marcado por medo, vergonha, distanciamento. O Santo não pode misturar-se com o impuro.
Simbolizado, por exemplo, nas leis dietéticas do Levítico. De modo especial, o véu do santuário (explicar - figura, clique). Uma realidade muito bem definida por Paulo: .
Romanos 3.23 RA
pois todos pecaram e carecem da glória de Deus,
Considere a gravidade do pecado. Separa você de Deus. Mesmo para os crentes, ainda que nada possa nos separar, há esta sensação incômoda, um desejo de esconder-se da face de Deus.
V. 34, uma citação literal de (não clique). Algo inimaginável, a ruptura da Trindade. Jesus se torna um esquecido de Deus, algo profeticamente declarado por aquele que oferece seu vinho barato a Jesus (v. 35). Naquela hora, Jesus desamparado pelo Pai. Ele é um esquecido por Deus. Enfrenta a realidade do inferno, lugar de separação eterna da misericórdia do Senhor.
O Pai amava o Filho. Ele não o teria desamparado se isto não fosse sumamente necessário. Por amor a nós. (Clique) Após os horrores do holocausto, um cético judeu disse que o único Deus em quem ele poderia acreditar era alguém que sabe em primeira mão o que é ser uma criança judia enterrada viva e sabe o que é ser uma mãe judia observando seu filho morrer. A cruz revela que Deus realmente testemunhou esta tragédia em primeira mão e a usa para salvar o mundo de si mesmo.
O uso do salmo 22 não é à toa. ele começa com uma nota de socorro e termina com uma not
Citação do (não clique) não é aleatória. Ele começa com uma nota de socorro e termina com uma nota de vitória, de triunfo. Jesus sabia muito bem o que estava fazendo. Tanto que vem, ao final a restauração, na última palavra na cruz (). A morte de Cristo é a morte da separação. O seu triunfo é o véu rasgado. Não há mais separação para o que crê. : Nada mais pode nos separar do amor de Deus.
Salmo 22 RA
Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que se acham longe de minha salvação as palavras de meu bramido? Deus meu, clamo de dia, e não me respondes; também de noite, porém não tenho sossego. Contudo, tu és santo, entronizado entre os louvores de Israel. Nossos pais confiaram em ti; confiaram, e os livraste. A ti clamaram e se livraram; confiaram em ti e não foram confundidos. Mas eu sou verme e não homem; opróbrio dos homens e desprezado do povo. Todos os que me veem zombam de mim; afrouxam os lábios e meneiam a cabeça: Confiou no Senhor! Livre-o ele; salve-o, pois nele tem prazer. Contudo, tu és quem me fez nascer; e me preservaste, estando eu ainda ao seio de minha mãe. A ti me entreguei desde o meu nascimento; desde o ventre de minha mãe, tu és meu Deus. Não te distancies de mim, porque a tribulação está próxima, e não há quem me acuda. Muitos touros me cercam, fortes touros de Basã me rodeiam. Contra mim abrem a boca, como faz o leão que despedaça e ruge. Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram; meu coração fez-se como cera, derreteu-se dentro de mim. Secou-se o meu vigor, como um caco de barro, e a língua se me apega ao céu da boca; assim, me deitas no pó da morte. Cães me cercam; uma súcia de malfeitores me rodeia; traspassaram-me as mãos e os pés. Posso contar todos os meus ossos; eles me estão olhando e encarando em mim. Repartem entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica deitam sortes. Tu, porém, Senhor, não te afastes de mim; força minha, apressa-te em socorrer-me. Livra a minha alma da espada, e, das presas do cão, a minha vida. Salva-me das fauces do leão e dos chifres dos búfalos; sim, tu me respondes. A meus irmãos declararei o teu nome; cantar-te-ei louvores no meio da congregação; vós que temeis o Senhor, louvai-o; glorificai-o, vós todos, descendência de Jacó; reverenciai-o, vós todos, posteridade de Israel. Pois não desprezou, nem abominou a dor do aflito, nem ocultou dele o rosto, mas o ouviu, quando lhe gritou por socorro. De ti vem o meu louvor na grande congregação; cumprirei os meus votos na presença dos que o temem. Os sofredores hão de comer e fartar-se; louvarão o Senhor os que o buscam. Viva para sempre o vosso coração. Lembrar-se-ão do Senhor e a ele se converterão os confins da terra; perante ele se prostrarão todas as famílias das nações. Pois do Senhor é o reino, é ele quem governa as nações. Todos os opulentos da terra hão de comer e adorar, e todos os que descem ao pó se prostrarão perante ele, até aquele que não pode preservar a própria vida. A posteridade o servirá; falar-se-á do Senhor à geração vindoura. Hão de vir anunciar a justiça dele; ao povo que há de nascer, contarão que foi ele quem o fez.
Lucas 23.46 RA
Então, Jesus clamou em alta voz: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito! E, dito isto, expirou.
Romanos 8.38–39 RA
Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.
Uma vez satisfeita a justiça de Deus, já não é mais necessária a separação entre o Senhor e o seu povo. O acesso ao trono da graça de Deus está, agora, garantido (). Podemos nos achegar confiadamente em oração, sabendo que seremos ouvidos
Hebreus 10.19 RA
Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus,
Hebreus 10.19–20 RA
Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne,
Hebreus 10.20 RA
pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne,
O rasgar do véu é também um símbolo da revelação completa do amor de Deus na face de Cristo (Clique). Perto do final do filme O Mágico de Oz, a cortina que esconde o temido bruxo é arrancada para revelar uma fraude impotente, puxando desesperadamente alavancas. Seu poder alardeado não passava de fumaça e espelhos. Em contraste, quando Jesus morreu na cruz, a cortina rasgada em dois revela um Deus todo-poderoso e todo-amoroso. Se você tem alguma dúvida de que Deus o ama, olhe para Jesus.
É ainda a ilustração de que Deus não pode ser confinado, de que barreiras não podem ser colocadas entre ele e aqueles a quem ele ama. Sacerdote algum pode colocar cordas diante de Deus. O fim da religião morta, de rituais e intermediários, baseada em ordenanças e regras.
É o fim da separação, também, para os gentios (v. 39). Um impressionado centurião confessa o que os judeus não puderam perceber. A porta de salvação está aberta aos que antes não eram povo de Deus. Porta aberta para mim e para você, para tomarmos parte na herança como filhos de Abraão pela fé.
A morte de Cristo é a morte da separação entre o homem e Deus que o pecado causa. Olhe para Jesus, aproxime-se com confiança, sabendo que será recebido na casa do Pai.
Conclusão
Conclusão
(Clique) Pessoas olham para a cruz e veem apenas tristeza. Este é um dia de lamento para elas. Para nós, é dia de vitória, porque, com Jesus, morrem o juízo que pesava sobre nós e a separação que havia entre Deus e o seu povo.
Onde, portanto, buscamos satisfação, a redenção, respostas para nossas necessidades espirituais mais profundas? Na cruz, instrumento de amor e reconciliação com o Senhor, ponto de partida para uma vida plena de significado.
Aplicação
Assim como os inimigos de Jesus, o mundo não consegue ver a realidade do que aconteceu naquela sexta terrível. Até lamentam o sofrimento de Cristo, choram com filmes como A Paixão, mas não conseguem ir além do que os olhos podem ver, a vitória final de Jesus. E você? Consegue compreender o que Jesus conquistou para nós?
Que o Senhor nos dê olhos para ver e viver a vida plena e abundante, na presença de Deus, que a cruz nos conquistou.
Related Media
Related Sermons