Faithlife Sermons

Retomando o primeiro amor

O amor esquecido  •  Sermon  •  Submitted
0 ratings
· 26 views
Notes
Transcript

Introdução

João começa a rota de envio de suas cartas a sete igrejas da Asia menor pela igreja de Éfeso, a mais próximo de Patmos de todas as sete cidades. Jesus apresenta-se a esta igreja como Aquele que segura as sete estrelas em sua mão direita () e que caminha no meio dos sete candelabros de ouro (). As sete estrelas e os sete candelabros representam as sete igrejas (). Cristo tem total controle sobre toda a igreja. Sua presença está na igreja e ele tem pleno conhecimento da situação e das necessidades da igreja.
A comunidade Éfeso, provavelmente, foi a igreja cristã mais influente da província no momento da redação do livro de Apocalipse. Foi a igreja fundada por Aquila e Priscilla () e o jovem pregador Apolo (). Paulo trabalhou em Éfeso por cerca de três anos (), e para esta igreja ele dirigiu a sua carta que hoje conhecemos como Efésios. Foi nessa cidade que foram conquistadas algumas das maiores vitórias do evangelho. Apesar da notória reputação da cidade, a igreja em Éfeso cresceu rapidamente.
Ranko Stefanovic, Revelação de Jesus Cristo: comentário sobre o Livro do Apocalipse (Segunda edição), Berrien Springs, MI: Andrews University Press, 2009), 117.

Conheço as tuas obras

Jesus está familiarizado com á situação de suas igrejas, quanto as suas provações, labores e suas lutas internas e externas. Por isso Ele direciona elogios, repreensões e exortações a cada uma destas igrejas.
situação
Jesus conhece ás suas igrejas uma por uma e sabe suas lutas e provações .
Eu SEI as tuas obras. . Eu SEI as tuas obras, e tribulação e pobreza. Vers. 9. Eu SEI as tuas obras, e onde habitas. Vers. 13. Eu CONHEÇO as tuas obras. Vers. 19. Eu SEI as tuas obras. . Eu SEI as tuas obras. Vers. 8. Eu SEI as tuas obras. Vers. 15.
Eu SEI as tuas obras. . Eu SEI as tuas obras, e tribulação e pobreza. Vers. 9. Eu SEI as tuas obras, e onde habitas. Vers. 13. Eu CONHEÇO as tuas obras. Vers. 19. Eu SEI as tuas obras. . Eu SEI as tuas obras. Vers. 8. Eu SEI as tuas obras. Vers. 15.
A mensagem comum às sete igrejas é a afirmação de que Jesus sabe tudo sobre cada uma delas. Logo no início de cada carta há a declaração “Eu sei as tuas obras”. Jesus sabe, não apenas tudo o que fazemos, mas também aquilo em que nos poderemos tornar.
Paulien, Jon. Apocalipse - O evangelho de Patmos - Meditações Matinais 2013 (Locais do Kindle 1154-1161). MaxiShield International. Edição do Kindle.

Perseverança em Éfeso

Como parte das obrigações civis da sociedade em que viviam, esperava-se que os cristãos da Ásia participassem de festivais religiosos nos templos pagãos. A recusa de participação trouxe o ridículo e as dificuldades do isolamento social e das sanções econômicas. Os cristãos na Ásia enfrentaram pelo menos dois problemas em relação ao seu envolvimento nas festas religiosas pagãs. O primeiro problema foi relacionado ao consumo de comida oferecida aos ídolos. Os participantes dos festivais pagãos costumavam se banquetear com alimentos que consistiam principalmente em carne oferecida ao deus patrono local. Os festivais muitas vezes terminavam com embriaguez e atividades imorais. O segundo problema em relação às festas religiosas pagãs foi a prostituição cultual, a prática que fazia parte de muitas antigas religiões pagãs. Qualquer um que quisesse status econômico, político ou social na sociedade teve que participar dessas demandas religiosas.
Ranko Stefanovic, Revelação de Jesus Cristo: comentário sobre o Livro do Apocalipse (Segunda edição), Berrien Springs, MI: Andrews University Press, 2009), 116.
2) Os cristãos na Ásia estavam evidentemente divididos sobre os problemas. O envolvimento nas festas religiosas pagãs na Ásia exigiu um compromisso de fé e crenças cristãs. De um lado, aqueles que obedientemente seguiram a decisão do Concílio de Jerusalém de se absterem dos alimentos oferecidos aos ídolos e da prática da prostituição cultual obrigatória para todos os cidadãos (). Do outro lado estavam aqueles que defendiam compromissos. Tais ensinamentos permissivos e má conduta eram características típicas dos Balaamitas em Pergamum e da mulher perversa "Jezabel" na igreja em Tiatira, que fazia com que os cristãos praticassem a imoralidade e comessem coisas sacrificadas aos ídolos (, ). Poderia ser que "os nicolaítas" e "aqueles que realizam o ensinamento de Balaão" e "Jezabel" se referem a três grupos de falsos professores com o mesmo ensinamento permissivo de compromisso, que causaram tanto dano às congregações locais na Ásia. Tudo isso indica, como Barclay sugere, que os nicolaítas provavelmente ensinaram que os cristãos são libertados de toda a lei e podem viver como quiserem. "Eles pervertiram o ensino de Paulo [cf. 1 Cor. 8] e transformou a liberdade cristã em uma licença cristã.
Paulien, Jon. Apocalipse - O evangelho de Patmos - Meditações Matinais 2013 (Locais do Kindle 1238-1239). MaxiShield International. Edição do Kindle.
Ranko Stefanovic, Revelação de Jesus Cristo: comentário sobre o Livro do Apocalipse (Segunda edição), Berrien Springs, MI: Andrews University Press, 2009), 116.
Paulien, Jon. Apocalipse - O evangelho de Patmos - Meditações Matinais 2013 (Locais do Kindle 1235-1238). MaxiShield International. Edição do Kindle.

Conhecimento doutrinário

A comuni

A igreja de Éfeso era o centro de conhecimento cristã de sua época. Os apóstolos como Paulo, Pedro e João passaram por está igreja, ensinado as verdades de Deus. Está igreja tinha tanto conhecimento doutrinário que avaliava todos os tipos de doutrinas apresentado em sua comunidade, para expor os seus erros doutrinário.
O problema dessa igreja não era doutrina ou falta de conhecimento teológico.

Doutrina dos nicolaítas

A identidade deste grupo é desconhecida para nós. De acordo com escritores cristãos primitivos como Irineu e Hipolito, os nicolaítas eram os seguidores heréticos de Nicolau (Gr. Nicolaos) de Antioquia, um dos sete diáconos da igreja primitiva () que acabaram por heresia. Sua presença na igreja "ameaçou destruir a integridade e a pureza da fé e da conduta cristã". Eles ganharam adeptos entre alguns membros da igreja em Pérgamo; na mensagem à igreja de Pérgamo, os nicolaítas estão claramente relacionados ao grupo herético que é referido como aqueles "que detêm o ensinamento de Balaão" (2: 14-15). Poderia ser que os nicolaítas fossem as mesmas pessoas que as de Pérgamo. Nicolas e Balaam parecem ser termos paralelos; Nicolaos é uma palavra grega composta (nikao e laos) e significa "aquele que conquista as pessoas". Balaam pode ser derivado de duas palavras hebraicas: am ("pessoas") e baal (de balac, "destruir" ou "para engolir "), o que significa" destruição das pessoas ". Assim, Nicolaos poderia ser a versão grega do Balaão hebraico, o que significa exatamente o mesmo. Assim, pode ser que esses dois grupos heréticos estavam propagando o mesmo erro.
Ranko Stefanovic, Revelação de Jesus Cristo: comentário sobre o Livro do Apocalipse (Segunda edição), Berrien Springs, MI: Andrews University Press, 2009), 116.
De acordo com , Balaão era o instigador da idolatria e da fornicação entre os israelitas (). Quando Balaque, o rei de Moabe, percebeu que não podia lutar contra Israel militarmente, ele contratou Balaão, um profeta de Deus, para amaldiçoar Israel, esperando que Deus abandonasse Israel e que Balaque pudesse conquistá-los. Em vez de xingar Israel, no entanto, da boca de Balaam só havia bênçãos. Quando Balaam viu que não podia amaldiçoar Israel, ele aconselhou Balaque a usar a imoralidade sexual e o glamour das festas pagãs - envolvendo o consumo de comida sacrificada aos deuses moabitas - para seduzir muitos israelitas para o pecado. Assim, Balaão no Novo Testamento é considerado um antecessor dos professores corruptos na igreja. Da mesma forma, os falsos professores em Pergamum, aqueles que "possuíam a doutrina de Balaão", atraíam alguns de seus irmãos cristãos a "comerem as coisas sacrificadas aos ídolos e a fornicar" ().
Ranko Stefanovic, Revelação de Jesus Cristo: Comentário ao Livro do Apocalipse (Segunda edição., Berrien Springs, MI: Andrews University Press, 2009), 115;
Irenaeus Against Heresies 1.26.3; 3.11 (The Ante-Nicene Fathers, 1:352, 426–429);
Hippolytus Refutation of All Heresies 7.24 (The Ante-Nicene Fathers, 5:115);

Doutrina do amor

O amor é a primeira coisa a escorregar quando alguém se afasta de Deus (cf. Éfeso. 1: 15-16; 6:24).
A religião na igreja de Éfeso tornou-se legalista e sem amor. A relação vertical com Deus normalmente define a relação horizontal com a humanidade. Foi afirmado que os Efésios não podiam tolerar falsos ensinamentos. Ao lidar com a heresia e disciplinar aqueles que não eram doutrinamento saudáveis, eles evidentemente tendiam a ser severos, censuráveis, críticos e achados de falhas. Era claro que ao enfatizar a solidez da doutrina e verificar a ortodoxia de seus companheiros, a igreja abandonava a característica amorosa do evangelho e tornava-se legalista. A doutrina sólida, o trabalho árduo e a ordem das igrejas são inegavelmente importantes. No entanto, nenhuma boa qualidade tem valor sem amor (1 Cor. 13). Os Efésios colocaram toda a ênfase no lado da doutrina sadia e do trabalho árduo. Foi uma boa decisão, mas eles foram retrocedendo do amor verdadeiro e ardente por Cristo e seus irmãos que os caracterizaram nos primeiros dias. Eles haviam esquecido que somente o evangelho pode equilibrar o dever religioso com carinho amoroso para os outros cristãos.
Ranko Stefanovic, Revelação de Jesus Cristo: Comentário ao Livro do Apocalipse (Segunda edição), Berrien Springs, MI: Andrews University Press, 2009), 118.

Lembrança do amor

Doutrina do primeiro amor

Related Media
Related Sermons