Faithlife Sermons

Deus não está ausente

Positivo!  •  Sermon  •  Submitted
0 ratings
· 9 views

O tema do sermão é Deus reprova a injustiça, seja ela cometida pelo seu povo ou contra ele. O objetivo é duplo: estimular o povo de Deus à prática da justiça e animá-lo quando a injustiça parece dominar

Notes & Transcripts
Lamentações de Jeremias 3.34–36 RA
Pisar debaixo dos pés a todos os presos da terra, perverter o direito do homem perante o Altíssimo, subverter ao homem no seu pleito, não o veria o Senhor?
Introdução

De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.
a) Rui Barbosa, final do séc. XIX, mas muito atual. b) Situação atual. Indignação. Desacreditamos das instituições. Não à toa, disparada da criminalidade. c) Não é algo distante, não basta dizer “não gosto de política”. Dói no bolso: desemprego, inflação, falta de oportunidades. Dói principalmente para os que têm menos. d) Perguntamos: “o Senhor não vê? Até quando a justiça tardia, o direito não respeitado, a opressão do mais pobre? Até quando?”.
Explicação
a) Podia ser a pergunta de Israel: “até quando?” Jerusalém arrasada, cativos, inimigos cruéis. b) O lamento de Jeremias: não é à toa (Jr 3.39). É um castigo justo! Não foi por falta de aviso: I. O comando da Lei (,), principalmente em favor dos mais fracos (). Razão: espelhar a imagem de um Deus que não pode ver a opressão (); II. O alerta dos profetas (), mas o povo insistia no erro (). c) Do mesmo modo, justo para nós. I. Políticos, frutos de um meio sem ética. Da corrupção mais simples até a grande corrupção (exemplos). II. Do que nos queixamos? Queixe-se cada um dos seus pecados. III. O povo de Deus, não inocente. A “cambada” evangélica, a bajulação do poder em troca de migalhas. d) Deus: justiça, mas também misericórdia. Passagem: uma lembrança do profeta em busca de esperança. Deus julgou Israel, iria julgar também seus opressores.
Deuteronômio 16.19 RA
Não torcerás a justiça, não farás acepção de pessoas, nem tomarás suborno; porquanto o suborno cega os olhos dos sábios e subverte a causa dos justos.
Deuteronômio 16.20 RA
A justiça seguirás, somente a justiça, para que vivas e possuas em herança a terra que te dá o Senhor, teu Deus.
Deuteronômio 24.17 RA
Não perverterás o direito do estrangeiro e do órfão; nem tomarás em penhor a roupa da viúva.
Habacuque 1.13 RA
Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal e a opressão não podes contemplar; por que, pois, toleras os que procedem perfidamente e te calas quando o perverso devora aquele que é mais justo do que ele?
Jeremias 22.3 RA
Assim diz o Senhor: Executai o direito e a justiça e livrai o oprimido das mãos do opressor; não oprimais ao estrangeiro, nem ao órfão, nem à viúva; não façais violência, nem derrameis sangue inocente neste lugar.
Amós 1.6–7 RA
Assim diz o Senhor: Por três transgressões de Gaza e por quatro, não sustarei o castigo, porque levaram em cativeiro todo o povo, para o entregarem a Edom. Por isso, meterei fogo aos muros de Gaza, fogo que consumirá os seus castelos.
FT: Esperança de Israel e nossa: Deus não está ausente. Ele vê, ele julga.

Deus não está ausente

Deus não está ausente

Deus não está ausente

Quando o desânimo e a desesperança diante da injustiça vierem, lembre- se que Deus vê a opressão, a distorção do direito e a subversão da justiça.

Ele vê a opressão (v. 34)

a) A crueldade dos babilônios: humilhar os cativos ( - citar). b) A opressão de quem não tem nada: I. A exploração do operário, o salário injusto X os grandes lucros; II. A diferença na abordagem dos maus policiais, entre o pobre na favela e o rico em sua mansão; III. O abandono e a exploração da infância (pedofilia, inclusive disfarçada na mídia); IV. A falta de fornecimento de uma infraestrutura adequada. V. Não é pauta de esquerda, é direito humano. c) O Senhor não aprova a opressão de nenhuma espécie. d) “Pisar os presos da terra”: muitos gostariam! A denúncia de nossa falta de graça, misericórdia, compreensão do valor do ser humano diante de Deus. e) Graça, misericórdia e valor vistos em Jesus: I. Seu olhar sobre o marginalizado: mulheres, gentios, crianças, pecadores de toda espécie. Nas palavras de Isaías, não esmagava a cana quebrada ou o pavio fumegante, mas acolhia e atribuía valor; II. Pisado pelos nossos pecados ( - citar); III. Reprovou os que buscavam afastar dele os pequeninos e condenou a falta de graça dos religiosos: passaríamos nós pelo escrutínio de Jesus? f) Capacitou-nos pelo ES a não rejeitar, mas acolher o oprimido e falar pelos que não têm voz ( - citar). Ele nos deu a admirável virtude da empatia. g) Você, agente em favor do oprimido ou um opressor? Hábitos de consumo, salário aos empregados, modo como trata ou pensa acerca das crianças no culto… O que pensa dos refugiados, dos retirantes? h) Não pense que Deus está ausente diante da opressão (jó 24 - citar). Ele vê, ele há de julgar.
FT: Deus vê o trato com o miserável, mas também vê os tratos por debaixo das mesas dos poderosos.

Ele vê a distorção do direito (v. 35)

Ele vê a distorção do direito (v. 35)

a) A busca pela lei justa, baseada na lei perfeita do Senhor (). No entanto, o homem distorce o direito, movido pelo egoísmo. b) Trata-se do uso injusto do poder, o fazer lei injusta e negar ao homem os seus direitos mais elementares: I. Estabelecer um fundo partidário de 2 bilhões de reais enquanto se prega contingenciamento; II. Emendas aprovadas em troca da salvação de um governo corrupto, realocando recursos para longe da real necessidade; III. Criar impostos para subsidiar a vida nababesca dos poderosos; IV. Ameaçar o direito adquirido por meio de reformas de valor duvidoso; V. Favorecer o grande capital com crédito abundante (JBS), tirando recursos, por exemplo, da habitação. VI. Não é assistencialismo - não precisamos de bolsas - mas de leis que lisem o bem e o progresso, a justiça das oportunidades iguais. c) O Senhor desaprova a negação ou a distorção do direito pela lei injusta. d) Em Jesus, a restauração da lei perfeita: I. Ensinou e promulgou a lei como Rei (, - o Sermão do Monte); II. : Chamando-nos a julgar não de acordo com a aparência, mas com o direito. III. fazendo-nos olhar para o Reino com esperança, quando justiça perfeita se verá (). e) Aplicação: I. como você vota? Votar mal é favorecer a distorção do direito, é ser cúmplice do mal; II. Você exige o que lhe é de direito? Cobra as autoridades quanto ao seu dever? A passividade do povo brasileiro; III. Ora pelos seus governantes?
Salmo 19.7 RA
A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma; o testemunho do Senhor é fiel e dá sabedoria aos símplices.
Salmo 19.7 RA
A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma; o testemunho do Senhor é fiel e dá sabedoria aos símplices.
Salmo 119 RA
Bem-aventurados os irrepreensíveis no seu caminho, que andam na lei do Senhor. Bem-aventurados os que guardam as suas prescrições e o buscam de todo o coração; não praticam iniquidade e andam nos seus caminhos. Tu ordenaste os teus mandamentos, para que os cumpramos à risca. Tomara sejam firmes os meus passos, para que eu observe os teus preceitos. Então, não terei de que me envergonhar, quando considerar em todos os teus mandamentos. Render-te-ei graças com integridade de coração, quando tiver aprendido os teus retos juízos. Cumprirei os teus decretos; não me desampares jamais. De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra. De todo o coração te busquei; não me deixes fugir aos teus mandamentos. Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti. Bendito és tu, Senhor; ensina-me os teus preceitos. Com os lábios tenho narrado todos os juízos da tua boca. Mais me regozijo com o caminho dos teus testemunhos do que com todas as riquezas. Meditarei nos teus preceitos e às tuas veredas terei respeito. Terei prazer nos teus decretos; não me esquecerei da tua palavra. Sê generoso para com o teu servo, para que eu viva e observe a tua palavra. Desvenda os meus olhos, para que eu contemple as maravilhas da tua lei. Sou peregrino na terra; não escondas de mim os teus mandamentos. Consumida está a minha alma por desejar, incessantemente, os teus juízos. Increpaste os soberbos, os malditos, que se desviam dos teus mandamentos. Tira de sobre mim o opróbrio e o desprezo, pois tenho guardado os teus testemunhos. Assentaram-se príncipes e falaram contra mim, mas o teu servo considerou nos teus decretos. Com efeito, os teus testemunhos são o meu prazer, são os meus conselheiros. A minha alma está apegada ao pó; vivifica-me segundo a tua palavra. Eu te expus os meus caminhos, e tu me valeste; ensina-me os teus decretos. Faze-me atinar com o caminho dos teus preceitos, e meditarei nas tuas maravilhas. A minha alma, de tristeza, verte lágrimas; fortalece-me segundo a tua palavra. Afasta de mim o caminho da falsidade e favorece-me com a tua lei. Escolhi o caminho da fidelidade e decidi-me pelos teus juízos. Aos teus testemunhos me apego; não permitas, Senhor, seja eu envergonhado. Percorrerei o caminho dos teus mandamentos, quando me alegrares o coração. Ensina-me, Senhor, o caminho dos teus decretos, e os seguirei até ao fim. Dá-me entendimento, e guardarei a tua lei; de todo o coração a cumprirei. Guia-me pela vereda dos teus mandamentos, pois nela me comprazo. Inclina-me o coração aos teus testemunhos e não à cobiça. Desvia os meus olhos, para que não vejam a vaidade, e vivifica-me no teu caminho. Confirma ao teu servo a tua promessa feita aos que te temem. Afasta de mim o opróbrio, que temo, porque os teus juízos são bons. Eis que tenho suspirado pelos teus preceitos; vivifica-me por tua justiça. Venham também sobre mim as tuas misericórdias, Senhor, e a tua salvação, segundo a tua promessa. E saberei responder aos que me insultam, pois confio na tua palavra. Não tires jamais de minha boca a palavra da verdade, pois tenho esperado nos teus juízos. Assim, observarei de contínuo a tua lei, para todo o sempre. E andarei com largueza, pois me empenho pelos teus preceitos. Também falarei dos teus testemunhos na presença dos reis e não me envergonharei. Terei prazer nos teus mandamentos, os quais eu amo. Para os teus mandamentos, que amo, levantarei as mãos e meditarei nos teus decretos. Lembra-te da promessa que fizeste ao teu servo, na qual me tens feito esperar. O que me consola na minha angústia é isto: que a tua palavra me vivifica. Os soberbos zombam continuamente de mim; todavia, não me afasto da tua lei. Lembro-me dos teus juízos de outrora e me conforto, ó Senhor. De mim se apoderou a indignação, por causa dos pecadores que abandonaram a tua lei. Os teus decretos são motivo dos meus cânticos, na casa da minha peregrinação. Lembro-me, Senhor, do teu nome, durante a noite, e observo a tua lei. Tem-se dado assim comigo, porque guardo os teus preceitos. O Senhor é a minha porção; eu disse que guardaria as tuas palavras. Imploro de todo o coração a tua graça; compadece-te de mim, segundo a tua palavra. Considero os meus caminhos e volto os meus passos para os teus testemunhos. Apresso-me, não me detenho em guardar os teus mandamentos. Laços de perversos me enleiam; contudo, não me esqueço da tua lei. Levanto-me à meia-noite para te dar graças, por causa dos teus retos juízos. Companheiro sou de todos os que te temem e dos que guardam os teus preceitos. A terra, Senhor, está cheia da tua bondade; ensina-me os teus decretos. Tens feito bem ao teu servo, Senhor, segundo a tua palavra. Ensina-me bom juízo e conhecimento, pois creio nos teus mandamentos. Antes de ser afligido, andava errado, mas agora guardo a tua palavra. Tu és bom e fazes o bem; ensina-me os teus decretos. Os soberbos têm forjado mentiras contra mim; não obstante, eu guardo de todo o coração os teus preceitos. Tornou-se-lhes o coração insensível, como se fosse de sebo; mas eu me comprazo na tua lei. Foi-me bom ter eu passado pela aflição, para que aprendesse os teus decretos. Para mim vale mais a lei que procede de tua boca do que milhares de ouro ou de prata. As tuas mãos me fizeram e me afeiçoaram; ensina-me para que aprenda os teus mandamentos. Alegraram-se os que te temem quando me viram, porque na tua palavra tenho esperado. Bem sei, ó Senhor, que os teus juízos são justos e que com fidelidade me afligiste. Venha, pois, a tua bondade consolar-me, segundo a palavra que deste ao teu servo. Baixem sobre mim as tuas misericórdias, para que eu viva; pois na tua lei está o meu prazer. Envergonhados sejam os soberbos por me haverem oprimido injustamente; eu, porém, meditarei nos teus preceitos. Voltem-se para mim os que te temem e os que conhecem os teus testemunhos. Seja o meu coração irrepreensível nos teus decretos, para que eu não seja envergonhado. Desfalece-me a alma, aguardando a tua salvação; porém espero na tua palavra. Esmorecem os meus olhos de tanto esperar por tua promessa, enquanto digo: quando me haverás de consolar? Já me assemelho a um odre na fumaça; contudo, não me esqueço dos teus decretos. Quantos vêm a ser os dias do teu servo? Quando me farás justiça contra os que me perseguem? Para mim abriram covas os soberbos, que não andam consoante a tua lei. São verdadeiros todos os teus mandamentos; eles me perseguem injustamente; ajuda-me. Quase deram cabo de mim, na terra; mas eu não deixo os teus preceitos. Vivifica-me, segundo a tua misericórdia, e guardarei os testemunhos oriundos de tua boca. Para sempre, ó Senhor, está firmada a tua palavra no céu. A tua fidelidade estende-se de geração em geração; fundaste a terra, e ela permanece. Conforme os teus juízos, assim tudo se mantém até hoje; porque ao teu dispor estão todas as coisas. Não fosse a tua lei ter sido o meu prazer, há muito já teria eu perecido na minha angústia. Nunca me esquecerei dos teus preceitos, visto que por eles me tens dado vida. Sou teu; salva-me, pois eu busco os teus preceitos. Os ímpios me espreitam para perder-me; mas eu atento para os teus testemunhos. Tenho visto que toda perfeição tem seu limite; mas o teu mandamento é ilimitado. Quanto amo a tua lei! É a minha meditação, todo o dia! Os teus mandamentos me fazem mais sábio que os meus inimigos; porque, aqueles, eu os tenho sempre comigo. Compreendo mais do que todos os meus mestres, porque medito nos teus testemunhos. Sou mais prudente que os idosos, porque guardo os teus preceitos. De todo mau caminho desvio os pés, para observar a tua palavra. Não me aparto dos teus juízos, pois tu me ensinas. Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais que o mel à minha boca. Por meio dos teus preceitos, consigo entendimento; por isso, detesto todo caminho de falsidade. Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos. Jurei e confirmei o juramento de guardar os teus retos juízos. Estou aflitíssimo; vivifica-me, Senhor, segundo a tua palavra. Aceita, Senhor, a espontânea oferenda dos meus lábios e ensina-me os teus juízos. Estou de contínuo em perigo de vida; todavia, não me esqueço da tua lei. Armam ciladas contra mim os ímpios; contudo, não me desvio dos teus preceitos. Os teus testemunhos, recebi-os por legado perpétuo, porque me constituem o prazer do coração. Induzo o coração a guardar os teus decretos, para sempre, até ao fim. Aborreço a duplicidade, porém amo a tua lei. Tu és o meu refúgio e o meu escudo; na tua palavra, eu espero. Apartai-vos de mim, malfeitores; quero guardar os mandamentos do meu Deus. Ampara-me, segundo a tua promessa, para que eu viva; não permitas que a minha esperança me envergonhe. Sustenta-me, e serei salvo e sempre atentarei para os teus decretos. Desprezas os que se desviam dos teus decretos, porque falsidade é a astúcia deles. Rejeitas, como escória, todos os ímpios da terra; por isso, amo os teus testemunhos. Arrepia-se-me a carne com temor de ti, e temo os teus juízos. Tenho praticado juízo e justiça; não me entregues aos meus opressores. Sê fiador do teu servo para o bem; não permitas que os soberbos me oprimam. Desfalecem-me os olhos à espera da tua salvação e da promessa da tua justiça. Trata o teu servo segundo a tua misericórdia e ensina-me os teus decretos. Sou teu servo; dá-me entendimento, para que eu conheça os teus testemunhos. Já é tempo, Senhor, para intervires, pois a tua lei está sendo violada. Amo os teus mandamentos mais do que o ouro, mais do que o ouro refinado. Por isso, tenho por, em tudo, retos os teus preceitos todos e aborreço todo caminho de falsidade. Admiráveis são os teus testemunhos; por isso, a minha alma os observa. A revelação das tuas palavras esclarece e dá entendimento aos simples. Abro a boca e aspiro, porque anelo os teus mandamentos. Volta-te para mim e tem piedade de mim, segundo costumas fazer aos que amam o teu nome. Firma os meus passos na tua palavra, e não me domine iniquidade alguma. Livra-me da opressão do homem, e guardarei os teus preceitos. Faze resplandecer o rosto sobre o teu servo e ensina-me os teus decretos. Torrentes de água nascem dos meus olhos, porque os homens não guardam a tua lei. Justo és, Senhor, e retos, os teus juízos. Os teus testemunhos, tu os impuseste com retidão e com suma fidelidade. O meu zelo me consome, porque os meus adversários se esquecem da tua palavra. Puríssima é a tua palavra; por isso, o teu servo a estima. Pequeno sou e desprezado; contudo, não me esqueço dos teus preceitos. A tua justiça é justiça eterna, e a tua lei é a própria verdade. Sobre mim vieram tribulação e angústia; todavia, os teus mandamentos são o meu prazer. Eterna é a justiça dos teus testemunhos; dá-me a inteligência deles, e viverei. De todo o coração eu te invoco; ouve-me, Senhor; observo os teus decretos. Clamo a ti; salva-me, e guardarei os teus testemunhos. Antecipo-me ao alvorecer do dia e clamo; na tua palavra, espero confiante. Os meus olhos antecipam-se às vigílias noturnas, para que eu medite nas tuas palavras. Ouve, Senhor, a minha voz, segundo a tua bondade; vivifica-me, segundo os teus juízos. Aproximam-se de mim os que andam após a maldade; eles se afastam da tua lei. Tu estás perto, Senhor, e todos os teus mandamentos são verdade. Quanto às tuas prescrições, há muito sei que as estabeleceste para sempre. Atenta para a minha aflição e livra-me, pois não me esqueço da tua lei. Defende a minha causa e liberta-me; vivifica-me, segundo a tua promessa. A salvação está longe dos ímpios, pois não procuram os teus decretos. Muitas, Senhor, são as tuas misericórdias; vivifica-me, segundo os teus juízos. São muitos os meus perseguidores e os meus adversários; não me desvio, porém, dos teus testemunhos. Vi os infiéis e senti desgosto, porque não guardam a tua palavra. Considera em como amo os teus preceitos; vivifica-me, ó Senhor, segundo a tua bondade. As tuas palavras são em tudo verdade desde o princípio, e cada um dos teus justos juízos dura para sempre. Príncipes me perseguem sem causa, porém o que o meu coração teme é a tua palavra. Alegro-me nas tuas promessas, como quem acha grandes despojos. Abomino e detesto a mentira; porém amo a tua lei. Sete vezes no dia, eu te louvo pela justiça dos teus juízos. Grande paz têm os que amam a tua lei; para eles não há tropeço. Espero, Senhor, na tua salvação e cumpro os teus mandamentos. A minha alma tem observado os teus testemunhos; eu os amo ardentemente. Tenho observado os teus preceitos e os teus testemunhos, pois na tua presença estão todos os meus caminhos. Chegue a ti, Senhor, a minha súplica; dá-me entendimento, segundo a tua palavra. Chegue a minha petição à tua presença; livra-me segundo a tua palavra. Profiram louvor os meus lábios, pois me ensinas os teus decretos. A minha língua celebre a tua lei, pois todos os teus mandamentos são justiça. Venha a tua mão socorrer-me, pois escolhi os teus preceitos. Suspiro, Senhor, por tua salvação; a tua lei é todo o meu prazer. Viva a minha alma para louvar-te; ajudem-me os teus juízos. Ando errante como ovelha desgarrada; procura o teu servo, pois não me esqueço dos teus mandamentos.
Mateus 12.18 RA
Eis aqui o meu servo, que escolhi, o meu amado, em quem a minha alma se compraz. Farei repousar sobre ele o meu Espírito, e ele anunciará juízo aos gentios.
Mateus 12.18 RA
Eis aqui o meu servo, que escolhi, o meu amado, em quem a minha alma se compraz. Farei repousar sobre ele o meu Espírito, e ele anunciará juízo aos gentios.
Mateus 12.20 RA
Não esmagará a cana quebrada, nem apagará a torcida que fumega, até que faça vencedor o juízo.
Mateus 12.20 RA
Não esmagará a cana quebrada, nem apagará a torcida que fumega, até que faça vencedor o juízo.
João 7.24 RA
Não julgueis segundo a aparência, e sim pela reta justiça.
João 7.24 RA
Não julgueis segundo a aparência, e sim pela reta justiça.
Apocalipse 19.1–5 RA
Depois destas coisas, ouvi no céu uma como grande voz de numerosa multidão, dizendo: Aleluia! A salvação, e a glória, e o poder são do nosso Deus, porquanto verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande meretriz que corrompia a terra com a sua prostituição e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos. Segunda vez disseram: Aleluia! E a sua fumaça sobe pelos séculos dos séculos. Os vinte e quatro anciãos e os quatro seres viventes prostraram-se e adoraram a Deus, que se acha sentado no trono, dizendo: Amém! Aleluia! Saiu uma voz do trono, exclamando: Dai louvores ao nosso Deus, todos os seus servos, os que o temeis, os pequenos e os grandes.
Apocalipse 19.1–5 RA
Depois destas coisas, ouvi no céu uma como grande voz de numerosa multidão, dizendo: Aleluia! A salvação, e a glória, e o poder são do nosso Deus, porquanto verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande meretriz que corrompia a terra com a sua prostituição e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos. Segunda vez disseram: Aleluia! E a sua fumaça sobe pelos séculos dos séculos. Os vinte e quatro anciãos e os quatro seres viventes prostraram-se e adoraram a Deus, que se acha sentado no trono, dizendo: Amém! Aleluia! Saiu uma voz do trono, exclamando: Dai louvores ao nosso Deus, todos os seus servos, os que o temeis, os pequenos e os grandes.
FT: Mas a distorção é vista não apenas no fazer leis, mas na aplicação delas.

Ele vê a subversão da justiça (v. 36)

a) Discernimento, dom dado por Deus para o julgamento justo. Um atributo comunicável do Deus justo, Conhecer o certo e o errado. b) Distorção pelo pecado: não avaliar todas as circunstâncias, parcialidade, fundado em nossos preconceitos. I. Condenação do inocente, libertação do culpado. II. Favorecimento, por suborno ou não. Venda de sentenças. III. Manipulação da lei processual em favor do culpado. Iguais perante a lei… dependendo do seu advogado. Um bom faz com que alguns sejam mais “iguais” que os outros… c) O Senhor desaprova a subversão da justiça. d) Em Jesus, o julgamento perfeito: I. : condenação do injusto, por mais poderoso que seja; II. Mulher adúltera - ensinando a julgar com imparcialidade; III. A César… - assegurando a cada um o que é seu por direito; IV. Mostrando pela cruz a justiça implacável do Deus que não poder tomar o culpado por inocente lançando a sujeira para debaixo do tapete. e) Um encontro pessoal com Jesus leva a um juízo adequado de si mesmo e à restauração da justiça - Zaqueu (). f) Jesus sabe o que é um julgamento injusto. Ele o suportou! Seria ele indiferente diante da injustiça dos homens? (abrir). Haverá o dia do julgamento! Estes homens impiedosos, blasfemadores e irreverentes, que cometem seus pecados diante dos olhos do Senhor prestarão contas de seus atos.
Mateus 23.23 RA
Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas!
Lucas 19.8–9 RA
Entrementes, Zaqueu se levantou e disse ao Senhor: Senhor, resolvo dar aos pobres a metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, restituo quatro vezes mais. Então, Jesus lhe disse: Hoje, houve salvação nesta casa, pois que também este é filho de Abraão.
Apocalipse 6.12–17 RA
Vi quando o Cordeiro abriu o sexto selo, e sobreveio grande terremoto. O sol se tornou negro como saco de crina, a lua toda, como sangue, as estrelas do céu caíram pela terra, como a figueira, quando abalada por vento forte, deixa cair os seus figos verdes, e o céu recolheu-se como um pergaminho quando se enrola. Então, todos os montes e ilhas foram movidos do seu lugar. Os reis da terra, os grandes, os comandantes, os ricos, os poderosos e todo escravo e todo livre se esconderam nas cavernas e nos penhascos dos montes e disseram aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós e escondei-nos da face daquele que se assenta no trono e da ira do Cordeiro, porque chegou o grande Dia da ira deles; e quem é que pode suster-se?
Conclusão
O cristão não deve ser um pessimista diante da injustiça dos homens. Sabe que seu Deus é justo, vê e julga a opressão, a distorção do direito e a subversão da justiça. O mesmo Deus que ouviu o clamor dos escravos egípcios () e dos cativos na Babilônia. Uma perspectiva mais ampla da história. Homens e seu poder passam, o Senhor e sua justiça permanecem.
Aplicação
a) Injusto: arrependa-se, ainda é tempo. O juízo virá! Jesus, o Reto Juiz, não aceita suborno e nem é parcial. b) Milite pelo direito e pela justiça (falar aos advogados). Fale pelo que é justo em seu favor e pelo próximo, principalmente se ele for dos menores da Terra. Proclame a justiça do Rei. c) Console-se na esperança. Os reinos deste mundo passarão, o de Cristo permanecerá para sempre. d) Busquemos oportunidades de tornar Santana um bairro mais justo.
Deus vê, Deus julga. Deus não está ausente. Que seu Espírito console nossos corações com esta promessa, quando os tempos são tão incertos.
Related Media
Related Sermons