Faithlife Sermons

A VOLTA DE CRISTO

Jesus de Nazaré  •  Sermon  •  Submitted
0 ratings
· 12 views
Notes & Transcripts

INTRODUÇÃO

No capítulo anterior, Jesus está no templo, observando, ensinando, reprovando.
Agora, Jesus sai do Templo e interage com seus discípulos.
Marcos 13.1–2 RA
1 Ao sair Jesus do templo, disse-lhe um de seus discípulos: Mestre! Que pedras, que construções! 2 Mas Jesus lhe disse: Vês estas grandes construções? Não ficará pedra sobre pedra, que não seja derribada.
O assunto gira em torno do Templo de Jerusalém.
O templo de herodes (imagem 1)
O templo de herodes (imagem 2)
O templo de herodes (imagem 3 - campo de futebol americano: 110 / 50 m)
Jesus previu a destruição do templo, que aconteceu em 70 d.C. pelos romanos.
Mc 13.3
Marcos 13.3–4 RA
3 No monte das Oliveiras, defronte do templo, achava-se Jesus assentado, quando Pedro, Tiago, João e André lhe perguntaram em particular: 4 Dize-nos quando sucederão estas coisas, e que sinal haverá quando todas elas estiverem para cumprir-se.
É muito provável que os discípulos estivessem perguntando sobre os eventos do verso 2.
(embora, estes eventos podem estar relacionados também à vinda do Reino de Deus em sua plenitude)
Antes de ler os versos seguintes (5 em diante), vamos entender o que Jesus previu no verso 2.
Marcos 13.2 RA
2 Mas Jesus lhe disse: Vês estas grandes construções? Não ficará pedra sobre pedra, que não seja derribada.
Veja em outros evangelhos também:
Mateus 24.1–2 RA
1 Tendo Jesus saído do templo, ia-se retirando, quando se aproximaram dele os seus discípulos para lhe mostrar as construções do templo. 2 Ele, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada.
Lucas 21.5–6 RA
5 Falavam alguns a respeito do templo, como estava ornado de belas pedras e de dádivas; 6 então, disse Jesus: Vedes estas coisas? Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra que não seja derribada.
Em e em , compreendemos que os discípulos estavam preocupados com a dstruição do templo e os sinais da vinda de Jesus:
Lucas 21.7 RA
7 Perguntaram-lhe: Mestre, quando sucederá isto? E que sinal haverá de quando estas coisas estiverem para se cumprir?
Mateus 24.3 RA
3 No monte das Oliveiras, achava-se Jesus assentado, quando se aproximaram dele os discípulos, em particular, e lhe pediram: Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século.
Jesus, portanto, profetizou a destruição do templo. Você sabe como isso aconteceu?
A Bíblia não nos conta o relato desta destruição. O templo foi, realmente, destruído, do jeito como Jesus profetizou. E sabemos disso por meio de um historiador judeu da época chamado Flávio Josefo.
Em seu livro A Guerra dos Judeus, publicado só 5 anos após a destruição do templo, Josefo nos conta com detalhes sobre a destruição. O história da igreja Philip Schaff, comentando as palavras de Josefo escreveu o seguinte:
Seu filho, Titus, que dez anos depois tornou-se imperador...., empreendeu a perseguição da guerra judaica e tornou-se o instrumento na mão de Deus de destruir a cidade sagrada e o templo. Ele tinha um exército de pelo menos oitenta mil soldados treinados e plantou seu campo no Monte Scopus e no Monte das Oliveiras, em plena visão da cidade e do templo.
Em abril de 70 d.C., imediatamente após a Páscoa, quando Jerusalém estava lotada com estrangeiros, o cerco começou. Os zelotes rejeitaram as repetidas propostas de Tito, além das petições de Josefo, que o acompanhavam como intérprete e mediador.
A crucificação de centenas de prisioneiros (quase quinhentos por dia) apenas os enfureceu mais. A fome começou a varrer milhares diariamente, e obrigou uma mulher a assar seu próprio filho. Os gritos de mães e bebês, as cenas mais miseráveis ​​de miséria em torno deles, não podiam mover os fanáticos loucos.
A história não registra nenhum outro exemplo de resistência tão obstinada, tal bravura desesperada e desprezo pela morte. Os judeus lutaram, não só pela liberdade civil, pela vida e pela terra natal, mas por aquilo que constituía o seu orgulho e glória nacionais, a sua religião.
Agora, vamos voltar ao texto de Marcos e ver em comparação a profecia de Jesus e as palavras do historiador Josefo:
Marcos 13.5–8 RA
5 Então, Jesus passou a dizer-lhes: Vede que ninguém vos engane. 6 Muitos virão em meu nome, dizendo: Sou eu; e enganarão a muitos. 7 Quando, porém, ouvirdes falar de guerras e rumores de guerras, não vos assusteis; é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim. 8 Porque se levantará nação contra nação, e reino, contra reino. Haverá terremotos em vários lugares e também fomes. Estas coisas são o princípio das dores.
Mc13.5-
Tais palavras, muito provavelmente estão relacionadas à 2ª Vinda de Jesus.
Volto à elas no final.
Sigamos no texto:
Mc 13.9-
Marcos 13.9–23 RA
9 Estai vós de sobreaviso, porque vos entregarão aos tribunais e às sinagogas; sereis açoitados, e vos farão comparecer à presença de governadores e reis, por minha causa, para lhes servir de testemunho. 10 Mas é necessário que primeiro o evangelho seja pregado a todas as nações. 11 Quando, pois, vos levarem e vos entregarem, não vos preocupeis com o que haveis de dizer, mas o que vos for concedido naquela hora, isso falai; porque não sois vós os que falais, mas o Espírito Santo. 12 Um irmão entregará à morte outro irmão, e o pai, ao filho; filhos haverá que se levantarão contra os progenitores e os matarão. 13 Sereis odiados de todos por causa do meu nome; aquele, porém, que perseverar até ao fim, esse será salvo. 14 Quando, pois, virdes o abominável da desolação situado onde não deve estar (quem lê entenda), então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes; 15 quem estiver em cima, no eirado, não desça nem entre para tirar da sua casa alguma coisa; 16 e o que estiver no campo não volte atrás para buscar a sua capa. 17 Ai das que estiverem grávidas e das que amamentarem naqueles dias! 18 Orai para que isso não suceda no inverno. 19 Porque aqueles dias serão de tamanha tribulação como nunca houve desde o princípio do mundo, que Deus criou, até agora e nunca jamais haverá. 20 Não tivesse o Senhor abreviado aqueles dias, e ninguém se salvaria; mas, por causa dos eleitos que ele escolheu, abreviou tais dias. 21 Então, se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! Ou: Ei-lo ali! Não acrediteis; 22 pois surgirão falsos cristos e falsos profetas, operando sinais e prodígios, para enganar, se possível, os próprios eleitos. 23 Estai vós de sobreaviso; tudo vos tenho predito.
Em comparação com o que Mateus escreveu, vamos comparar algumas destas palavras e as palavras de Josefo.
Marcos 13.14–16 RA
14 Quando, pois, virdes o abominável da desolação situado onde não deve estar (quem lê entenda), então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes; 15 quem estiver em cima, no eirado, não desça nem entre para tirar da sua casa alguma coisa; 16 e o que estiver no campo não volte atrás para buscar a sua capa.
Mc 13.14-16
Josefo:
Josefo: “É então um caso miserável, uma visão que até poria lágrimas em nossos olhos, como os homens agüentaram quanto ao seu alimento ... a fome foi demasiado dura para todas as outras paixões... a tal ponto que os filhos arrancavam os próprios bocados que seus pais estavam comendo de suas próprias bocas, e o que mais dava pena, assim também faziam as mães quanto a seus filhinhos... quando viam alguma casa fechada, isto era para eles sinal de que as pessoas que estavam dentro tinham conseguido alguma comida, e então eles arrombavam as portas e corriam para dentro... os velhos, que seguravam bem sua comida eram espancados, e se as mulheres escondiam o que tinham dentro de suas mãos, seu cabelo era arrancado por fazerem isso...” (Guerras dos Judeus, livro 5, capítulo 10, seção 3).
Marcos 13.17 RA
17 Ai das que estiverem grávidas e das que amamentarem naqueles dias!
Mc13.
Josefo: “Ela então tentou a coisa mais natural, e agarrando seu filho, que era uma criança de peito, disse, ‘Oh, pobre criança! Para quem eu te preservarei nesta guerra, nesta fome e nesta rebelião? ...’ Logo que acabou de dizer isto, ela matou seu filho e, então, assou-o, e comeu metade dele, e guardou a outra metade escondida para si.” (Guerras, livro 6, capítulo 3, seção 4).
Marcos 13.18–20 RA
18 Orai para que isso não suceda no inverno. 19 Porque aqueles dias serão de tamanha tribulação como nunca houve desde o princípio do mundo, que Deus criou, até agora e nunca jamais haverá. 20 Não tivesse o Senhor abreviado aqueles dias, e ninguém se salvaria; mas, por causa dos eleitos que ele escolheu, abreviou tais dias.
Mc13.18-
Josefo: “Eu falarei portanto aberta e francamente aqui de uma vez por todas e brevemente: que nenhuma outra cidade sofreu tais misérias nem nenhuma era produziu uma geração mais frutífera em perversidade do que era esta, desde o começo do mundo.” (Guerras, livro 5, capítulo 10, seção 5).
Josefo: “Ora, o número daqueles que foram levados cativos durante toda esta guerra foi verificado ser noventa e sete mil, como foi o número daqueles que pereceram durante todo o cerco onze centenas de milhares, a maior parte dos quais era na verdade da mesma nação, porém não pertencentes à própria cidade, pois tinham vindo de todo o país para a festa dos pães asmos e foram subitamente fechados por um exército...” (Guerras, livro 6, capítulo 9, seção 3).
Marcos 13.2 RA
2 Mas Jesus lhe disse: Vês estas grandes construções? Não ficará pedra sobre pedra, que não seja derribada.
Veja as palavras do general Tito sobre a destruição:
"Claramente", exclamou Tito, "lutamos com Deus do nosso lado; e foi Deus quem derrubou os judeus daqueles baluartes, pois o que as mãos humanas ou maquinas podiam fazer contra aquelas torres?"
Números da destruição: 67-70 d.C. - por fome, facções internas e pela espada romana: 1.350.460 mortos - além de cem mil vendidos como escravos.
Jesus sabia disso. Porque será que ele chorou diante do orgulho de Jerusalém?
Até mesmo o pagão Titus declarou ter declarado publicamente que Deus, por uma providência especial, ajudou os romanos e expulsou os judeus de suas fortalezas inexpugnáveis.
Josefo, que percorreu a guerra do princípio ao fim, primeiro como governador da Galiléia e general do exército judeu, então como prisioneiro de Vespasiano, finalmente como companheiro de Tito e mediador entre os romanos e os judeus, Reconheceu neste evento trágico um julgamento divino e admitiu seus compatriotas degenerados, a quem ele estava de outra forma sinceramente ligado:
Josefo: "Não hesitarei em dizer o que me dá dor: creio que, se os romanos tivessem adiado a punição desses vilões, a cidade teria sido engolida pela terra, ou sobrecarregada com uma inundação, ou, como Sodoma, consumida pelo fogo do céu. Pois a geração que estava nele era muito mais ímpia do que os homens de quem esses castigos haviam caído. Por sua loucura, a nação inteira veio a ser arruinada ".
Assim, portanto, um dos melhores emperadores romanos deve executar o longo julgamento ameaçado de Deus, e o judeu mais aprendido de seu tempo descrevê-lo e, assim, sem querer ou conhecê-lo, testemunhar a verdade da profecia e da divindade Da missão de Jesus Cristo, a rejeição de quem trouxe tudo isso e o infortúnio subseqüente na raça apóstata.
Tito, após a vitoria sobre os judeus, voltou à Roma, tornou-se imperador anos depois, concluiu a construção do Colisão Romano e o Arco de Tito, que podem ser vistos até hoje.
A destruição de Jerusalém seria um tema digno para o gênio de um homero cristão. Tem sido chamado de "a luta mais agitada de toda a história antiga". [551] Mas não havia Jeremias para cantar o canto funerário da cidade de Davi e Salomão. O Apocalipse já estava escrito e havia predito que os pagãos "andarão na cidade santa debaixo dos quarenta e dois meses". [552] Um dos mestres dos tempos modernos, Kaulbach, tornou-se o tema de uma de suas maiores pinturas no museu de Berlim. Representa o templo ardente: em primeiro plano, o sumo sacerdote enterrando a espada no peito; Ao seu redor, as cenas do sofrimento desgarrador; Acima, os profetas antigos contemplando o cumprimento de seus oráculos; Abaixo deles, Tito com o exército romano como o executor inconsciente da ira divina; Abaixo, à esquerda, Assuero, judeu errante da lenda medieval, conduzido por furias ao futuro eterno; E à direita o grupo de cristãos que partem em paz do cenário da destruição, e as crianças judaicas imploram sua proteção.
Seguindo no texto, lemos o seguinte:
Mc13.21-23
Marcos 13.21–23 RA
21 Então, se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! Ou: Ei-lo ali! Não acrediteis; 22 pois surgirão falsos cristos e falsos profetas, operando sinais e prodígios, para enganar, se possível, os próprios eleitos. 23 Estai vós de sobreaviso; tudo vos tenho predito.
Falsos cristos e profetas.
Mc13.24-
Marcos 13.24–27 RA
24 Mas, naqueles dias, após a referida tribulação, o sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, 25 as estrelas cairão do firmamento, e os poderes dos céus serão abalados. 26 Então, verão o Filho do Homem vir nas nuvens, com grande poder e glória. 27 E ele enviará os anjos e reunirá os seus escolhidos dos quatro ventos, da extremidade da terra até à extremidade do céu.
Poderes dos céus abalados.
Marcos 13.28–37 RA
28 Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam, e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão. 29 Assim, também vós: quando virdes acontecer estas coisas, sabei que está próximo, às portas. 30 Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto aconteça. 31 Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão. 32 Mas a respeito daquele dia ou da hora ninguém sabe; nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai. 33 Estai de sobreaviso, vigiai [e orai]; porque não sabeis quando será o tempo. 34 É como um homem que, ausentando-se do país, deixa a sua casa, dá autoridade aos seus servos, a cada um a sua obrigação, e ao porteiro ordena que vigie. 35 Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o dono da casa: se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã; 36 para que, vindo ele inesperadamente, não vos ache dormindo. 37 O que, porém, vos digo, digo a todos: vigiai!
Mc13.28-
O resumo de suas palavras neste capítulo é:
Vigiai! Estejam preparados! Estejam atentos! Vede que ninguém vos engane! Não caiam na mentira dos falsos profetas! (Mc 13.5,37)
Related Media
Related Sermons